Pesquisar

A “Batalha das Nações” na Alemanha

Na tarde do dia 19 de outubro de 1813, chegou ao fim a batalha que durante quatro dias decorreu junto à cidade de Leipzig, na atual Alemanha, e que ficou conhecida sob essa designação, Batalha de Leipzig ou, de forma mais comum, como Batalha das Nações.

A batalha opôs o exército de Napoleão, que incluía tropas polacas, italianas e alemãs, às forças da chamada Sexta Coligação, que juntava a Rússia, Áustria, Prússia e Suécia. Foi a maior batalha até à I Guerra Mundial, na qual estiveram envolvidos cerca de 600 mil soldados, com clara vantagem numérica para os exércitos aliados. Decorreu em vários cenários e diversas frentes, ao longo dos dias 16, 17 e 18.

No final, perante o elevando número de baixas e reconhecendo a derrota, Napoleão emitiu a ordem de retirada, movendo os seus exércitos para oeste, de regresso à França. Foi a batalha mais sangrenta das guerras napoleónicas, estimando-se em cerca de 100 mil o número total de mortos, feridos e desaparecidos.

 

  • Quais foram os antecedentes da batalha?

A batalha das nações foi o momento decisivo da chamada Guerra da Sexta Coligação, que opôs uma aliança de estados europeus contra a França napoleónica. Após o fracasso da invasão da Rússia, em 1812, Napoleão viu com preocupação a adesão do Czar e do rei da Suécia à aliança dos seus inimigos. Também a Prússia declarou guerra à França, em março de 1813.

Decidiu então tomar a ofensiva militar, uma vez mais, na primavera desse mesmo ano, avançando pelo interior da atual Alemanha e obtendo sucessivas vitórias militares. Era a sua última oportunidade para submeter os inimigos e conseguir o domínio da França na Europa Oriental, uma vez que o balanço global da guerra começava a ser-lhe desfavorável.

A campanha militar na Rússia havia enfraquecido as suas tropas e diminuído consideravelmente a eficácia de seu exército. A batalha de Leipzig, ou das Nações, foi portanto o momento-chave da ofensiva, que em última análise decidiu o destino da Europa.

 

  • Que consequências teve, então, a derrota de Napoleão?

A derrota francesa na Batalha das Nações obrigou Napoleão a regressar rapidamente a França, a fim de organizar a própria defesa do país perante o avanço inimigo. A retirada do seu enorme exército foi lenta e caótica e levou à dispersão e deserção de boa parte das suas tropas.

No final desse ano de 1813, um Napoleão amargurado e entrincheirado em Paris previa a invasão da França pelos exércitos inimigos e o colapso do império. De facto, ao mesmo tempo que prussianos, austríacos e russos avançavam pelo leste, os exércitos britânicos atravessavam os Pirenéus e invadiam a França pelo lado oeste.

Em março de 1814, Paris caiu nas mãos dos inimigos e Napoleão foi forçado a abdicar e a retirar-se para o exílio na ilha de Elba. A Batalha das Nações, pela sua dimensão e desfecho, foi portanto um episódio que contribuiu decisivamente para a derrota da França.

Cem anos mais tarde, a Alemanha inaugurou em Leipzig um enorme memorial, com quase 100 metros de altura, para assinalar a derrota de Napoleão e o momento de viragem da guerra na Europa.

Ouça aqui outros episódios do programa Dias da História

Ficha Técnica

  • Título: Os Dias da História - “Batalha das Nações”, na Alemanha
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Paulo Sousa Pinto
  • Produção: Antena 2
  • Ano: 2017
  • Imagem: Batalha de Leipziig ou Batalha das Nações, Alexander Sauerweid

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui