Pesquisar

A batalha de Diu

A batalha de Diu, a 3 de fevereiro de 1509, foi um confronto naval que opôs uma armada portuguesa, sob o comando do vice-rei da Índia D. Francisco de Almeida, a uma frota egípcia, guzerate e otomana, com o apoio de Calecute. Teve lugar ao largo de Diu, no norte da Índia, e teve como desfecho uma clara vitória portuguesa.

Do lado português contavam-se 18 navios, entre naus e caravelas. Como curiosidade, é de referir a participação da nau Flor de la Mar, que veio a afundar-se alguns anos mais tarde, carregada com o saque de Malaca, e mencionar também a presença de Fernão de Magalhães na batalha.

As forças adversárias contabilizavam um número muito superior de embarcações, quase uma centena, embora apenas 12 fossem navios de grande porte.

O desfecho do confronto, favorável aos portugueses, ficou a dever-se ao maior poder de fogo da artilharia e à melhor preparação dos soldados, o que conferia às forças portuguesas uma notável superioridade na guerra que travavam contra as potências muçulmanas no Índico.

 

  • Quais eram as causas dessa guerra?

A ação dos portugueses no Índico no sentido de controlar o comércio e de canalizar as especiarias para a Europa pela Rota do Cabo, entrava em rota de colisão com as redes mercantis muçulmanas na região e com as potências que lhes estavam de alguma forma associadas, como o sultão do Cairo, o reino do Guzerate, o império otomano ou Calecute.

Desde a viagem de Pedro Álvares Cabral que a guerra era um risco crescente, que se agravou com as ordens de D. Manuel para bloquear a navegação muçulmana para o Mar Vermelho e o Golfo Pérsico.

Em 1508, chegou à região do Gujarat uma armada otomana, preparada no Cairo e enviada pelo sultão para ajudar na luta contra os portugueses. Foi esta frota que infligiu uma derrota a uma armada portuguesa ao largo de Chaul, onde morreu D. Lourenço de Almeida, filho do vice-rei D. Francisco de Almeida. Uma das motivações para a batalha de Diu, para além da necessidade estratégica de eliminar a ameaça da armada egípcia, foi portanto o desejo pessoal de vingança do vice-rei.

 

  • Que consequências teve?

A batalha de Diu, apesar da sua reduzida dimensão em termos de número de navios e de homens, teve um enorme impacto, que alguns historiadores comparam à batalha de Lepanto ou a outras grandes batalhas navais.

Na verdade, a vitória de Portugal consagrou o poder naval das suas armadas, que se manteve invencível durante várias décadas e permitiu aos portugueses adquirir uma posição de força no contexto geopolítico do Índico, que atingiu o seu ponto mais alto logo nos anos seguintes, sob o governo de Afonso de Albuquerque.

Por outro lado, a derrota da armada egípcia apressou a ruína e a queda do sultanato do Cairo, que em 1517 veio a cair sob o domínio do Império Otomano. Seria, precisamente, este acesso direto dos turcos otomanos ao Mar Vermelho e, mais tarde, aos portos do Golfo Pérsico que veio a constituir uma nova ameaça à presença portuguesa no Índico Ocidental.

  • Temas: História
  • Ensino: 3º Ciclo, Ensino Secundário

Ficha Técnica

  • Título: Os Dias da História - Batalha de Diu
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Paulo Sousa Pinto
  • Produção: Antena 2
  • Ano: 2017

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui