Pesquisar

A expulsão dos mouriscos em Espanha

Depois de vários períodos de tensão entre as comunidades muçulmana e cristã o rei Filipe III de Espanha assinou o decreto de expulsão dos mouriscos em 1609. Poderão ter sido expatriadas mais de 300 mil pessoas.

Mouriscos é o nome pelo qual ficaram conhecidos os muçulmanos de Espanha convertidos ao cristianismo, pouco depois da conquista de Granada pelos Reis Católicos.

A 4 de abril de 1609, o rei Filipe III assinou o primeiro decreto que ordenava a sua expulsão de Valência, a que se seguiram outras regiões. Foi o culminar de um século de conflitos e dificuldades na integração das antigas comunidades muçulmanas. A expulsão foi uma solução extrema e autoritária que revelou a incapacidade das autoridades e da coroa espanhola em lidar com a diversidade cultural.

No século XVI os mouriscos não eram um grupo pequeno e sem significado no contexto da população de Espanha. Pelo contrário, o seu número ascendia a várias centenas de milhar, com concentrações importantes em Granada, Valência e Aragão, correspondendo a um estrato da população com grande peso social e económico.

 

  • Quais foram os motivos para a expulsão?

Granada rendeu-se aos Reis Católicos com a promessa de que os direitos das populações muçulmanas seriam respeitados. Alguns anos depois, contudo, foi decretada a conversão forçada ao cristianismo.

Foi levado a cabo um extenso programa de catequização e vigilância por parte do Santo Ofício, mas os resultados ficaram aquém do desejado. As conversões eram superficiais e as populações mouriscas mantinham intactas as suas convicções religiosas.

A coroa e a igreja tomaram medidas repressivas que conduziram a rebeliões, a mais importante das quais foi a chamada revolta das Alpujarras, em 1568, que ocorreu em Granada e foi fortemente reprimida, levando à deportação de mais de 80 mil mouriscos por várias regiões de Castela.

Havia grande crispação e suspeita por parte das populações católicas e das autoridades em relação aos mouriscos. Temia-se que as comunidades fossem uma quinta coluna ao serviço dos turcos otomanos, os principais inimigos de Espanha no Mediterrâneo.

 

  • Como foi levada a cabo a expulsão?

A primeira ordem foi emitida a 4 de abril de 1609, mas foi mantida em segredo durante algum tempo. Não foi, aliás, uma decisão que tivesse merecido apoio unânime, pois havia figuras importantes do estado e da igreja que se opunham à expulsão.

As deportações começaram em outubro e demoraram vários meses, com o transporte das populações nas galeras reais dos portos de Valência para o norte de África. Seguiram-se outras regiões de Espanha, como a Andaluzia e Aragão.

O processo de expulsão ficou terminado apenas em 1614. Calcula-se que um total de 300 mil pessoas tenham sido deportadas, num processo que originou revoltas e uma repressão feroz.

As deportações tiveram um profundo impacto em diversas regiões de Espanha, nomeadamente em Valência e Aragão, levando a um despovoamento dos campos e ao empobrecimento geral da população.

Ouça aqui outros episódios do programa Dias da História

  • Temas: História
  • Ensino: 2º Ciclo, 3º Ciclo, Ensino Secundário

Ficha Técnica

  • Título: Os Dias da História - Decreto de expulsão dos mouriscos por Filipe III
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Paulo Sousa Pinto
  • Produção: Antena 2
  • Ano: 2017
  • Imagem: A Expulsão dos Mouriscos, Gabriel Puig Roda (1894)

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Consulte a nossa Política de Privacidade.