Pesquisar

A guerra no olhar de Mário de Sá Carneiro

Mário de Sá-Carneiro contou aos portugueses o que viu em Paris logo após a declaração do estado de guerra entre a França e a Alemanha, em 1914. Para além da sua obra literária, foi um verdadeiro escritor de postais e um propagandista contra o inimigo alemão.

Mário de Sá Carneiro vivia em Paris mas, pouco depois do início da I Guerra, regressou a Lisboa e deu entrevistas relatando aquilo que vira nas ruas da cidade luz logo após a declaração de guerra.

O poeta assistiu à mobilização e contou como se formaram agitados grupos nas ruas gritando que iriam marchar sobre Berlim. Os transportes públicos, que asseguravam a circulação diária, desapareceram das ruas mobilizados para transportar soldados para a frente e apoiar outras atividades militares, enquanto lojas e cafés passaram a encerrar mais cedo. Foi este ambiente marcial, de que Sá Carneiro não gostava, que o trouxe de volta a Portugal.

Mário de Sá Carneiro regressaria posteriormente a Paris, continuando a dar noticias – a jornais e à família – sobre o progresso da guerra e os seus reflexos na vida quotidiana. É neste contexto que descreve o luto de mães e mulheres um ano após a batalha do Marne, que ceifou milhares de vidas.

Mas as notas e postais, enviados especialmente para casa, demonstram uma outra faceta, mais sarcástica, de encarar o conflito. Parte importante desse espólio foi tornado público numa exposição dedicado ao poeta que se suicidou, em Paris, em 1916.

Veja este “Postal da Grande Guerra” na íntegra AQUI.

Ficha Técnica

  • Título: Postal da Grande Guerra - Mário de Sá Carneiro
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Sílvia Alves
  • Produção: RTP
  • Ano: 2016

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui