Pesquisar

A publicidade e os anúncios

A guerra trouxe para a imprensa um novo conjunto de anúncios que utilizavam a guerra como pretexto ou apresentavam produtos supostamente úteis para aqueles que para lá iam. São pequenas pérolas que merecem ser recordadas uma centena de anos depois e o mesmo acontece com os postais que foram trocados aos milhões durante os anos de conflito.

O exército é um novo cliente necessitado de muitos bens e os que iam para a guerra também. Não faltam anúncios para tais fregueses. Chapéus há muitos, também cantis ou espadas e suspensões de metal branco ou ferro niquelado para todo o tipo de armas. Oferece-se fardamento para instrução militar com acabamento esmerado.

Aos expedicionários exibem-se camas de campanha, bidets, lençóis de borracha e malas de toda a sorte a preços sem “competência”, à venda na Casa da Rússia, uma aliada. Já as navalhas, que se dizem suecas, podem se adquiridas na Rua da Palma 33, numa loja que se anuncia como Casa Ex-Alemã, não vá o freguês aviar-se noutro lado.

Há também muitos espaços comerciais que t~em como símbolos águias e milhafres, mas estas são – asseguram – de origem napoleónica, francesa, e só ignorantes ou mal-intencionados a podem confundir com a águia germânica.

O Alcatrão Guyot promete eliminar os micróbios e o receituário assegura que ao tomá-lo a todas as refeições – à dose de uma colher de café por copo d’água – se pode dizer adeus à tosse, bronquite e outras maleitas. O top dos remédios pertence, no entanto, ao Urodonal que sendo produto francês se bebe quase como champanhe e dá cabo do reumatismo, limpa o rim, evita as nevralgias, a ciática e é tão especial que é obrigatório “exigir em cada frasco a etiqueta com a marca registada Homem Atanazado.”

Por duzentos réis há também literatura cheia de golpes contra o inimigo, nomeadamente, “As Amantes do Kaiser”, uma obra que prometia revelações escandalosas sobre os amores e desamores do dito com várias “cocotes” da alta-roda.

Há 100 anos a técnica da publicidade encapotada já se usava e um lindo poema chamava, afinal, a atenção para os gabões de Aveiro e as capas à alentejana da célebre Casa das Tesouras.

Há sempre quem faça negócio, mesmo com a guerra, já se sabe…

Para ler este artigo na íntegra clique AQUI.

Ficha Técnica

  • Título: Postal da Grande Guerra - A publicidade e os anúncios
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Sílvia Alves
  • Produção: RTP
  • Ano: 2016

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui