Pesquisar

A vida em Tancos pelos olhos dos jornais... censurados

Depois da instrução preliminar, realizada a nível regional, reuniram-se as tropas em Tancos para a fase final da instrução, mas a falta de disciplina de muitas praças e de liderança de muitos oficiais fez com que até a marcha para Tancos arrancasse atrasada.

Depois da destruição do exército profissional monárquico, em 1910, e com a conversão do exército em “povo em armas” a capacidade militar portuguesa ficou seriamente ameaçada, mas com a ajuda da mensagem da propaganda e da censura foi possível construir a ficção do “Milagre de Tancos”.

Foi contra a propaganda anti-guerrista, a relutância de muitos oficiais  e a resistência das mulheres, que foi possível reunir vinte mil homens em Tancos. Quase metade destes recrutas era analfabeta vinda de uma existência rural precária.

Em Tancos, esperava-os uma instrução militar deficiente, sob o calor tórrido do Verão.

Cá fora falava-se no número de doentes, de incidentes vários e de infracções, mas para os que estavam lá isso não passavam de “más línguas” até porque “a disciplina é a melhor” e, obviamente, “pequenas infracções acontecem em toda a parte”.

Outros asseguravam que os soldados eram um “imenso rebanho de crianças … de uma docilidade e de uma disciplina inexcedíveis”.

Quanto às águas inquinadas, a uma epidemia de tifo, a doentes e mesmo mortos ia recado para o jornal: “diga lá no seu jornal que em Tancos não há mortos, nem epidemias. Só nos morreu até agora um soldado”.

Leia este postal na íntegra AQUI.

Ficha Técnica

  • Título: Postal da Grande Guerra - Viver em Tancos II
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Sílvia Alves
  • Produção: RTP
  • Ano: 2016

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui