Pesquisar

Do Estado Novo à primeira constituição democrática

A figura central do Estado Novo é António Oliveira Salazar, que governa o país durante mais de 30 anos, recorrendo à propaganda e à repressão sempre que achou necessário. Numa época de regimes autoritários, Salazar promoveu o nacionalismo económico e o corporativismo, procurando salvaguardar a integralidade do território com intervenções militares nas colónias. Conheça, em poucos minutos, a história de Portugal entre 1932 e 1975.

Empossado inicialmente como ministro das Finanças, António Oliveira Salazar foi nomeado Presidente do Conselho de Ministros em 1932. No ano seguinte colocou à votação da população uma nova constituição que ficaria conhecida como a do “Estado Novo”.

Apoiado nesta nova constituição cria órgãos de repressão como a PIDE ou os Serviços de Censura, com o objetivo de regular “o exercício da liberdade de pensamento”. Para controlar a sociedade recorre à prisão e à tortura sempre que o considera necessário.

É também imposto o sistema de controlo dos setores produtivos, o corporativismo, organização que reunia patrões e empregados de cada setor.

Nos anos 30 e 40 a ditadura portuguesa assistiu a duas guerras, uma civil em Espanha e outra mundial, mas só entraria em guerra a partir de 1961 quando tentou segurar as colónias no oriente e em África.

António de Oliveira Salazar morreu antes do fim do regime que caiu a 25 de abril de 1974, dia em que militares, insatisfeitos com a situação política e profissional, organizaram uma revolução que conduziria ao estabelecimento da terceira república.

Ficha Técnica

  • Título: Cronologia Histórica do Estado Novo à Revolução 25 de Abril
  • Tipo: Reportagem
  • Produção: RTP
  • Ano: 2002

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui