Pesquisar

Francisco Conduto de Pina, poeta guineense

Político defensor das ilhas Bijagós, na Guiné Bissau, foi o primeiro escritor a publicar em nome próprio, em crioulo guineense. A sua poesia, em português ou na língua nativa, faz a apologia da liberdade e pede uma sociedade igualitária.

Francisco Conduto de Pina nasceu em Bubaque, uma das ilhas do arquipélago dos Bijagós, em 1957. Estudou Artes Visuais e Belas Artes em Lisboa e foi na capital portuguesa que fez também um curso na área do Design, em 1981. Mas já escrevia. Foi mesmo o primeiro escritor guineense a publicar a título individual, em 1978, com a obra cujo título em crioulo significa ‘as maravilhas de nossa terra’.

Passou pela Rádio Difusão Nacional, onde foi produtor e coordenador dos programas ‘Tempo de Poesia’ e ‘Música e Som’ e em 1982, com apenas 25 anos, foi um dos membros fundadores da União Nacional dos Artistas e Escritores, em Bissau.

Conduto de Pina foi deputado eleito pelo PAIGC na década de 1990, e é um dos responsáveis pela promoção turística do arquipélago onde nasceu. Tem exercido diversos cargos no Governo guineense, entre os quais o de Director Geral do Turismo e o de ministro do Turismo e do Ordenamento do Território. No entanto, e acima de tudo, é na literatura que se destaca, com a publicação de diversos livros de poesia, de índole política e social, onde fala da liberdade e dos ideais da luta. Grande parte da poesia de Conduto de Pina está escrita em português, contudo, a sua língua materna – o crioulo guineense – tem uma forte presença, através da introdução de palavras suspensas no texto.

Ficha Técnica

  • Título: Grandes Africanos
  • Tipo: Programa de Televisão
  • Autoria: Milene Matos Silva
  • Produção: Companhia de Ideias para a RTP
  • Ano: 2014

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui