Pesquisar

Guerras do Alecrim e Manjerona

Levada à cena pela primeira vez em 1737, esta "comédia de enganos" de António José da Silva é uma sátira exemplar à sociedade portuguesa setecentista. Na dupla intriga amorosa há fidalgos galantes mas sem ética, aristocratas avarentos, exageros barrocos, críticas à justiça e à medicina e às rivalidades entre grupos carnavalescos. Apresentamos aqui um excerto destas guerras do dramaturgo que ficou conhecido como o Judeu, torturado e executado pela Inquisição.

Quase trezentos anos tem a peça de António José da Silva que muitos consideram ser a sua obra-prima. As “Guerras de Alecrim e Manjerona” fizeram sucesso no teatro do Bairro Alto, no Carnaval de 1737. O público apreciava o estilo inovador do Judeu; textos em prosa, marionetas em vez de atores e música com cantores de carne e osso. Eram as óperas de bonifrates ou, como o próprio preferia chamar-lhes, óperas joco-sérias, que seguiam a tradição da escola de Gil Vicente.

Para esta “comédia de enganos” o autor, com repertório dedicado sobretudo a temas da mitologia grega, inspira-se numa moda do seu tempo e, a partir daí, constrói uma sátira mordaz à sociedade, com caricaturas bem definidas de vários tipos sociais. A rivalidade entre dois ranchos carnavalescos é o primeiro plano da intriga amorosa que se desenrola numa sucessão de peripécias e trocadilhos hilariantes.

O enredo conta ao todo com nove personagens que fazem uma história única na dramaturgia portuguesa. Dois jovens, D. Fuas e D. Gilvaz, fidalgos pobres, enchem de galanteios duas irmãs, meninas ricas, sobrinhas do avarento D. Lançarote. Os corações de D. Nise e D. Clóriz, partidárias dos grupos rivais do Alecrim e da Manjerona, cedem, mas o tio levanta obstáculos a estes amores porque prometera a D. Tibúrcio uma das donzelas em casamento. Aqui entram em cena os criados Semicúpio, Sevadilha e Fagundes que vão dar um final feliz à intriga amorosa.

Aqui podemos ver excertos da peça de António José da Silva que em 1994 foi encenada por João Mota para o Teatro da Comuna. A música é de Eduardo Paes Mamede e as interpretações de Maria João Luís, Elsa Galvão, Helena Macedo, Alfredo Brissos, Álvaro Correia, Paulo Antunes, Paulo B. Vítor Soares e José Figueiredo Martins.

 

Ficha Técnica

  • Título: Magazine de Teatro - Guerras de Alecrim e Manjerona
  • Tipo: Excerto de Magazine de Teatro
  • Produção: RTP
  • Ano: 1994

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui