Pesquisar

Jorge Amado, capitão das letras

Gostava de contar histórias com coronéis e mulatas sensuais. Jorge Amado escreveu sobre o seu povo da Baía, denunciou injustiças, falou dos humildes para os humildes. Foram 70 anos a escrever no português doce do Brasil. Ficou uma obra universal.

Tinha apenas 18 anos quando escreveu “O país do Carnaval”, o primeiro romance de uma longa carreira literária lida e aclamada desde o início. Jorge Amado ainda cursou Direito, trabalhou em jornais, ambicionou ser realizador de cinema. Acabou por ser tudo isso, na literatura e nas causas que militou, em prol da liberdade e de justiça para o povo brasileiro. As atividades políticas levaram-no à prisão e ao exílio; os livros e as mais de 5 mil personagens que criou deram-lhe a dimensão de um escritor universal, com dezenas de títulos adaptados para o cinema e televisão. Por cá, temos a memória a preto e branco de “Gabriela Cravo e Canela”, a novela transmitida pela RTP, em 1977, e que fazia parar os trabalhos na Assembleia da República.

Jorge Amado (1912-2001), baiano de corpo e alma, tinha o seu mundo na Baía, nas terras do cacau e do açúcar, temperadas de tropicalismos e exotismos que fixou nos romances. Filho de um fazendeiro, conheceu coronéis e jagunços, viu injustiças e violências, conviveu com vagabundos e prostitutas, pisou os terreiros de candomblé. Foi todo esse conhecimento da realidade brasileira que levou para dentro dos livros e recriou numa prosa viva e popular.

O vasto e diversificado percurso literário do autor de “Capitães da Areia” ficou com currículo longo em distinções, galardões e doutoramentos “Honoris Causa”; o prémio Camões foi-lhe atribuído em 1994.

Neste artigo apresentamos uma biografia da sua vida e recuperamos também uma conversa de escritores gravada em 1982. António Alçada Baptista faz as perguntas, Jorge Amado responde. O mote é o livro  publicado no ano anterior, “O Menino Grapiúna”, que conta histórias da infância do menino Jorge, o escritor amado da Baía e do povo brasileiro.

Ficha Técnica

  • Título: O Tópico
  • Tipo: Entrevista
  • Autoria: António Alçada Baptista
  • Produção: RTP
  • Ano: 1982
  • Título do 2.º vídeo: O Tópico
  • Tipo: Programa cultural
  • Apresentação: António Alçada Baptista
  • Produção: RTP
  • Ano: 1982

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Consulte a nossa Política de Privacidade.