Pesquisar

José Saramago, "Uma Voz Contra o Silêncio"

A voz que tanto interrogou, serviu inquietações, enfrentou polémicas, é a voz que também se emociona com fragmentos de uma vida começada de pés descalços nas ruas de uma aldeia do Ribatejo, renascida num amor perfeito, redimensionada pelo prémio maior que um escritor pode ambicionar. José Saramago vê-se e revê-se nas histórias que dele contam, nas homenagens que lhe fazem nestes dias de glória que se seguiram ao anúncio do Nobel. Aqui o reencontramos numa exposição de fotografia, na capital sueca, organizada pelo Instituto Português do Comércio Externo.

A José Saramago nunca faltaram as palavras. Na vida pública e no trabalho como romancista, a voz inquietava e polemizava. Quando as provocações arrastavam tormentas – e houve-as fortes, sobretudo as que envolveram a Igreja-, nunca o autor de “Memorial do Convento” se esquivou a enfrentar inimigos. Falou sempre, disse sempre o que pensava sem medir consequências. Os confrontos acenderam fogueiras e, aquando da publicação de “O Evangelho Segundo Jesus Cristo” , Saramago saiu do seu país e escolheu a ilha de Lanzarote, nas Canárias, para viver até ao último dos seus dias.

Ateu militante, comunista convicto, Saramago não se conformava com injustiças, com a natureza dos homens, com o rumo que a civilização tomava. Escrevia livros para compreender a vida, para refletir sobre a condição humana, a buscar respostas entre metáforas e alegorias. E se um dia ficássemos todos cegos? E se um dia a morte não matasse?, perguntava. O que escreveu em linhas de parágrafos sem fôlego, como a voz que usava sem temor, fizeram de Saramago um homem singular; amado por uns, odiado por outros.

“Deus é o silêncio do universo, e o homem o grito que dá sentido a esse silêncio” escreveria nos Cadernos de Lanzarote o romancista que viria a receber o Nobel da Literatura. Quando o seu nome ficou universal nesse outono de 1998, foi sua a voz que se fez ouvir em Estocolmo, que deu visibilidade à língua portuguesa, a pátria das suas palavras. Raras terão sido as vezes, como nesta homenagem em que encontramos José Saramago comovido, que faltaram, ao homem e ao escritor, as palavras com que teceu uma vida inteira.

 

Ficha Técnica

  • Título: José Saramago, Uma Voz Contra o Silêncio
  • Tipo: Reportagem Telejornal
  • Autoria: Fátima Campos Ferreira
  • Produção: RTP
  • Ano: 1998

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui