Pesquisar

No labirinto fantástico de Jorge Luís Borges

Fabricou enredos labirínticos, mitologias metafísicas num estilo despojado e elegante. Jorge Luís Borges é sinónimo de literatura. Na poesia, no conto e no ensaio deixou um universo fantástico, insólito e transcendente. É ele o escritor argentino do mundo.

A literatura esteve sempre em Borges, e ele soube-o desde o início, como um destino a cumprir. Aos seis anos, comunicou à família que queria ser escritor. Poderá ser apenas uma lenda que fica bem na biografia de um dos autores da América latina mais conhecidos no mundo. Mas a verdade é que o menino fora muito cedo iniciado na leitura pela mãe, figura adorada e na biblioteca do pai já descobrira os livros, esse mundo fantástico das histórias onde iria passar a vida toda. Pouco tempo depois do precoce anúncio, começou a redigir os primeiros textos: um conto ao estilo de Cervantes e um ensaio sobre mitologia clássica.

No ano em que começa a 1.ª Grande Guerra, a família Borges viaja para a Europa. Em Genebra faz os estudos superiores, em Espanha participa em tertúlias e publica poemas em revistas espanholas. Quando regressa a Buenos Aires, terra onde nascera em 1899, encontra uma cidade diferente, que o encanta e inspira. A fama do autor de “História Universal da Infâmia”, de “História da Eternidade”e de “A Biblioteca de Babel”, cresce dentro e fora da Argentina: traduzido noutras línguas, cativa leitores por todo o mundo. Porém, quando todos o viam, Borges deixava de ver.

Condenado à cegueira por herança paterna, o poeta e prosador que procurava “o livro dos livros”, “que não sabe se existe ou se é sonhado por deus”, lança-nos em labirintos poéticos de luzes e sombras, galerias de espelhos onde explora o tema da dupla identidade. Jorge Luís Borges é o “fazedor” de uma outra dimensão da literatura: para o escritor português António Mega Ferreira, é o mais literário dos escritores.

Ficha Técnica

  • Título: Ler+ ler melhor -Breve Biografia de Jorge Luís Borges
  • Tipo: Extrato de Magazine Cultural
  • Produção: Filbox produções
  • Ano: 2011

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui