Pesquisar

No rasto da poesia de Ruy Belo

Deslumbrado com as coisas pequenas do quotidiano, Ruy Belo consagrou a sua vida à poesia. No exercício de escrever, tinha a exigência do rigor até as palavras fluírem sem esforço. É por muitos considerado um dos grandes poetas espirituais portugueses.

Em a “Senda da Poesia”, único ensaio publicado em  1969, escreve: “Não há bem mais humano que a palavra (…). Ela ajuda a criar, e participa da história do homem. Daí que pô-la em jogo seja movimentar o universo”.

Ruy Belo (1933-1978)  é um homem de palavras, vagueia entre elas para evocar o passado, lugares e paixões, indagar sobre si e os outros, para falar do amor e da morte, das coisas do mundo do dia-a-dia, da sua relação com o divino. Para o ensaísta e professor universitário Luís Adriano Carlos, a poesia de Belo apresenta uma metafísica de profundidade abissal, sublime e grandiosa. Um retrato breve do autor de “Aquele grande rio Eufrates”.

 

Ficha Técnica

  • Título: Ler+ ler melhor - Ruy Belo
  • Tipo: Extrato de Magazine Cultural
  • Produção: Filbox produções
  • Ano: 2012

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Consulte a nossa Política de Privacidade.