Pesquisar

Quando as enfermeiras paraquedistas foram à guerra

Enfrentaram preconceitos, vestiram a farda que pertencia aos homens para salvar vidas no Ultramar. Em Angola, Moçambique, Guiné e Timor, estas mulheres foram - para os soldados -, "anjos descidos dos céus".

Esta é a história de mulheres que entraram no exclusivo mundo masculino das Forças Armadas quando a sociedade portuguesa mantinha apertadas regras conservadoras. Eram enfermeiras experientes, que se fizeram voluntárias num desafio inédito lançado pela Força Aérea no Portugal dos anos sessenta: pisar o campo das muitas batalhas que se faziam no Ultramar para tratar os soldados feridos e doentes, ajudar a evacuar civis e auxiliar populações.

A ideia de formar as “enfermeiras dos ares” partiu da primeira paraquedista portuguesa: Isabel Bandeira de Mello conseguiu o apoio de Kaúlza de Arriaga, e o subsecretário da Aeronáutica convenceu o governo de Salazar da importância do projeto na guerra colonial. Assim, em Maio de 1961, foi criado o primeiro curso de formação e abertas vagas. Pediam-se candidatas com idades entre os 18 e os 30 anos, solteiras ou viúvas sem filhos, sem cadastro e com “boa formação moral, profissional e religiosa”. Responderam 11 mulheres, apenas 5  foram aprovadas como boinas verdes.

Antes de partirem para as zonas de combate receberam dois meses de instrução em Tancos: praticavam saltos, faziam treino militar, aprendiam a usar armas. Logo em Agosto, duas enfermeiras foram chamadas a Angola, para apoiar as famílias portuguesas expatriadas de Goa. Nos anos seguintes, dezenas de jovens paraquedistas  pareceram “anjos descidos dos céus”a milhares de soldados, o único consolo no meio da guerra. A última missão ocorreu um ano depois do 25 de Abril, quando ajudaram na evacuação de civis de Timor para Lisboa. Com a descolonização, o curso chegou ao fim.

Foi esta a aventura que Maria Arminda Pereira, Maria de Lourdes Rodrigues, Maria Zulmira André e Maria do Céu Policarpo decidiram viver. E, apesar dos horrores da guerra e das marcas que ficaram agarradas à pele, não se arrependem de ter trocado o uniforme branco por um camuflado. Foram camaradas de armas, são agora cúmplices nas memórias.

Das 41 mulheres que abraçaram esta missão, apenas uma, Celeste Ferreira Costa,  morreu num acidente.

Ficha Técnica

  • Título: Heroínas em Combate
  • Tipo: Reportagem
  • Autoria: Pedro Benevides
  • Produção: RTP
  • Ano: 2009

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui