Pesquisar

Quim e Manecas partem para a guerra

Quim e Manecas são duas personagens fundamentais na história da Banda Desenhada portuguesa e, declarado o conflito entre Portugal e a Alemanha, também partiram para a guerra dentro de um obus de canhão. Uma história imaginada por Stuart Carvalhais é recriada pela RTP neste Postal da Grande Guerra.

Foi com a banda desenhada Quim e Manecas, criada por Stuart Carvalhais, que em Portugal se mudou a forma de fazer desenho crítico. Os personagens nasceram em janeiro de 1915 e foram mais tarde adaptados ao suplemento “O Século Cómico”.

Até junho de 1916 a publicação em formato tablóide foi autónoma, mas em julho desse ano as tiras de BD foram integradas na revista “Ilustração Portuguesa”, nascendo as intrépidas aventuras de Quim e Manecas que, no conjunto, tiveram mais de 500 capítulos impressos em vários jornais e revistas até 1953, mostrando um humor e um sentido crítico profundamente ligados ao período histórico em que foram criados.

Conjuntamente com a conceção gráfica, os desenhos associam-se à utilização sistemática de balões narrativos que contaram com a participação de Acácio de Paiva, diretor d’O Século Cómico. Frases e expressões dotadas de um humor que transparece não só do texto e dos diálogos mas das próprias personagens, das situações, da ação, da ternura das figuras principais, fazem de Quim e Manecas uma das mais significativas obras portuguesas do início do modernismo.

Decorria o ano de 1915 e José Herculano Stuart Torrie d’Almeida Carvalhais, filho de um português e uma inglesa, nascido em 1887 na localidade de Vila Real de Trás-os-Montes, mostrava-se na vanguarda de uma “revolução” criativa e artística.

Como ilustrador participara em mostras coletivas e não se poupava nos desenhos e caricaturas críticas. Quando em 1915 cria as figuras de Quim e Manecas, apresenta-as num formato original e fora do contexto utilizado na época em Portugal, nascendo a banda desenhada portuguesa.

Já em 1916 e depois de ter passado pelo jornal satírico monárquico “O Papagaio Real”, Stuart traz a banda desenhada para o suplemento humorístico O Século Cómico. As célebres Aventuras do Quim e do Manecas permitem-lhe retratar a época, com todas as poses burguesas personificadas em tipos populares e miseráveis.

Aproveita ainda a dinâmica da banda desenhada para, no período de Grande Guerra, transformar as personagens Quim e Manecas em “heróis” ao serviço da jovem república, sempre contra os “boches”, que tudo faziam para ganhar a guerra.

Stuart Carvalhais tornou-se desta forma não só um dos maiores criadores da BD portuguesa, mas um dos pioneiros da BD moderna europeia. Um género criativo artístico do género do par de “miúdos terríveis”, como Max e Moritz e os Katzenjammer Kids antes deles, ou de Quick e Flupke, surgidos mais tarde.

Os irmãos Quim – o mais velho e quase sempre de chapelinho – e Manecas, – o mais novo, com o seu bibe às bolinhas – foram a expressão mais consistente e duradoura que Stuart Carvalhais criou no mundo de imagens para miúdos, mas com sentido crítico apurado que interessava aos mais crescidos.

Veja este postal na íntegra AQUI.

Ficha Técnica

  • Título: Postal da Grande Guerra - Quim e Manecas
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Nuno Patrício
  • Produção: RTP
  • Ano: 2016

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui