Pesquisar

Uma livraria bela e "cool"? A portuguesa Lello, claro

Acumula distinções esta livraria centenária com morada no Porto. Por cá, é monumento de Interesse público, lá fora é reconhecida como uma das mais belas e mais "cool" do planeta. Inspirou Harry Potter e atrai centenas de turistas que a visitam diariamente.

Para visitar este monumento dos livros precisamos de tempo e, às vezes, de alguma paciência. Isto porque quase todos os dias há filas à porta do número 144 da rua das Carmelitas. São cada vez mais os turistas curiosos que ali chegam para ver o que tem de tão especial a livraria que anda nos  rankings do mundo.

A começar, espera-nos uma emblemática fachada neogótica, com janela tripla e duas figuras pintadas a representar a Arte e a Ciência, que merece ser fotografada. O edifício, agora classificado património nacional, desenhado pelo engenheiro Francisco Xavier Esteves, foi projetado para ser a nova livraria Lello, que já existia noutro local desde 1881. A inauguração, a 13 de janeiro de 1906, foi um acontecimento com grande impacto cultural, noticiado nos jornais do Porto, Lisboa e Brasil. Mas não é só pelo exterior que lhe vêm as muitas distinções; é preciso entrar e olhar à volta. Com muita atenção, porque os detalhes são únicos, de cortar a respiração.

O espaço da livraria é pequeno, porém com decoração opulenta: teto ornamentado, madeira talhada, colunas douradas e bustos esculpidos de escritores consagrados como Antero de Quental, Camilo Castelo Branco, Eça de Queirós ou Guerra Junqueiro. E há ainda a imponente escadaria vermelha que – quem diria!- entra na saga de Harry Potter. A autora, J. k. Rowling, era cliente habitual da Lello e foi ali buscar inspiração para descrever a escadaria de Hogwarts, a escola de pequenos feiticeiros. Depois, no primeiro andar, temos a imensa clarabóia com vitral e ainda uma cafetaria, onde se pode ficar simplesmente a ler. Sim, porque entre os 120 mil livros arrumados nas prateleiras ou empilhados no chão, há muito por onde escolher e para todos os gostos. Alguns, verdadeiras raridades.

Por tudo isto, e muito mais,  a livraria Lello & Irmão figura nas revistas, guias turísticos e sites de viagens internacionais. Nos últimos sete anos somou nove prémios. Recebeu o certificado de excelência do popular site de viagens TripAdvisor. Em 2014, a cadeia de televisão norte-americana CNN repetiu o prémio da revista “Travel + Leisure” da Time, e incluiu a centenária livraria no top da mais “cool” do planeta. O guia da “Lonely Planet” elegeu-a por duas vezes a terceira mais bela do mundo. O mesmo tinha já feito o jornal britânico “The Guardian”, em 2008.

Por cá, foi distinguida pelo Ministério da Economia na categoria de melhor estabelecimento tradicional, recebeu a medalha de mérito da Câmara do Porto e foi classificada como monumento de interesse público.

Mas talvez o prémio mais compensador, por ser imediato e espontâneo, seja feito dos elogios que a livraria arranca aos muitos visitantes que entram ali diariamente. Como estes que ouvimos ao fotógrafo Paul Toleman e à advogada Ana Mirra, na reportagem da RTP. O gerente Antero Braga, o último a falar, diz que na Lello existe a preocupação de fazer com que as pessoas se sintam em casa. Uma casa com livros e com história, ex-líbris da cidade do Porto, e um dos monumentos mais visitados em todo o país.

  • Temas: História
  • Ensino: 3º Ciclo, Ensino Secundário

Ficha Técnica

  • Título: Livraria Lello
  • Tipo: Reportagem
  • Autoria: Alberto Serra
  • Produção: RTP
  • Ano: 2010

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui