Contexto

A medição do tempo, sobretudo após a implementação das sociedades agrícolas, tem sido uma necessidade humana. A alternância entre dia e noite deixou de ser suficiente e uma visão mais alargada do tempo e dos períodos de fertilidade da terra obrigou a criação de outras  medidas.

As fases da lua, 29 ou 30 dias, deram origem à divisão em períodos mensais, o tempo de uma lunação,  distribuídos pelas estações secas e húmidas. Este ciclo repete-se após doze ou treze lunações, o período de um ano solar, sensivelmente.

O calendário romano, atribuído a Rómulo, fundador de Roma, tinha dez meses com 30 ou 31 dias cada, num total de 304 dias por ano. Numa Pompílio reduziu o período mensal de 30 dias para 29, acrescentado dois meses aos dez existentes, em aproximadamente em 713 a.C. Júlio César fez outra reforma, em 46 a. C.,  organizando os dias dos meses em 30 e 31 para um total de 365 dias no ano,  introduzindo o conceito de ano bissexto (que de quatro em quatro anos faz com que o ano tenha 366 dias).

Este calendário foi substituído pelo gregoriano criado em 1582 pelo Papa Gregorio XIII, que lhe deu o nome, para unificar o ano civil em todo o mundo chegando assim aos nossos dias.

Até hoje chegam-nos também os nomes do meses, herdados do latim, que vamos descobrir neste dossiê.

  • Temas: Geografia, História
  • Data: Setembro 2018
  • Ensino: 1º Ciclo, 2º Ciclo, 3º Ciclo, Ensino Secundário