Contexto

Este dossier integra um conjunto de cadernos criados pelo Ensina RTP sobre a temática da II Guerra Mundial. Pode ainda explorar outros dedicados aos “Antecedentes“, “A frente de Combate” e “Portugal e a guerra“.

Refugiados

Portugal conheceu bem a realidade dos refugiados. O país foi uma espécie de paraíso para os que conseguiram escapar ao avanço das tropas nazis, especialmente, em 1940, ano em que se concretizou a invasão da França e as autoridades nacionais foram confrontadas com a chegada de milhares de pessoas à fronteira.

Um grande número destes recém-chegados eram judeus escapando aos campos de concentração e, possivelmente, à morte. Muitos milhares tiveram a a sorte de encontrar o cônsul português de Bordéus, Aristides de Sousa Mendes que, contra ordens expressas pelo governo de Salazar, passou milhares de vistos a pessoas desesperadas, permitindo que estas atravessassem a Espanha em direcção a Lisboa.

Poucos ficaram em Portugal, país que para muitos foi apenas uma passagem para longe da Europa, para paragens que consideravam mais seguras para recomeçar a vida.

Holocausto

O Holocausto foi uma das heranças mais negras do nazismo e da II Guerra Mundial. Milhões de pessoas morreram em campos de concentração assassinadas em câmaras de gás, por excesso de trabalho, à fome e à sede.

Entre os que foram para os campos de concentração também se encontravam portugueses. Alguns sobreviveram às provações, mas, de outros, ficaram apenas os registos de entrada a a certeza de que morreram em condições muito difíceis.