Pesquisar

Assalto das SS ao gueto de Varsóvia

Teve início a 13 de março de 1943 a liquidação final do gueto de Cracóvia, com o cerco e o assalto final, levado a cabo pelas forças das SS nazis, à população judaica da cidade. Foi uma operação meticulosamente planeada e executada pelos comandantes locais das SS e que decorreu durante dois dias.

Numa primeira fase, os residentes da zona norte (a que os nazis chamavam de Zona A), que totalizavam entre 6000 a 8000 pessoas, foram deportadas para o campo de concentração de Plaszow. No dia seguinte, a restante população foi arrancada das suas casas e reunida nas ruas. Cerca de 2000 crianças, velhos e outras pessoas consideradas incapazes de trabalhar, assim como todos os que tentaram escapar, foram mortas a tiro. As restantes foram transportadas para o campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau. O bairro foi saqueado e completamente esvaziado de todo o tipo de valores, bens e mercadorias. A reconstituição destes eventos constitui uma das passagens mais impressionantes do filme “A Lista de Schindler”, de Steven Spielberg.

 

  • Como se pode explicar esta liquidação do gueto de Cracóvia?

O assalto ao bairro judaico de Cracóvia foi apenas um episódio de um plano mais vasto, elaborado pelos ideólogos nazis e executado pelas SS, de perseguição e extermínio dos judeus na Europa ocupada pela Alemanha, e que ficou conhecido como “a solução final”. A repressão nazi sobre as comunidades judaicas foi particularmente violenta e brutal na Polónia ocupada, onde teve início, no verão de 1942, a “Operação Reinhardt”, que previa o envio de todos os judeus para campos de trabalho ou de extermínio. Presume-se que o nome derive de Reinhardt Heydrich, um dos principais arquitetos do Holocausto, ou seja, do plano de extermínio dos judeus, que morreu num atentado por essa altura. Antes da ocupação alemã, a população judaica de Cracóvia era superior a 60 mil habitantes, mas decresceu rapidamente devido a deportações maciças para campos de trabalho. A partir de março de 1941, os sobreviventes foram encerrados num gueto e isolados do resto da cidade, enquanto prosseguiam as deportações. Os eventos de 13 e 14 de março de 43 foram a etapa final de um processo de destruição total da comunidade judaica.

 

  • Não houve sobreviventes?

O assalto ao gueto de Cracóvia levou ao quase completo desaparecimento dos judeus da cidade e à dispersão dos sobreviventes, como ocorreu noutras regiões ocupadas pelos nazis. A maior parte não resistiu às câmaras de gás dos campos de extermínio ou às terríveis condições existentes nos campos de trabalho. Alguns dos habitantes do gueto escaparam graças à boa vontade e ao auxílio prestado por alguns polacos residentes fora do gueto e que conseguiram ludibriar as autoridades nazis. Uma das pessoas que escapou desta forma foi o realizador de cinema Roman Polanski, então com 10 anos de idade. Outras integraram a célebre lista de trabalhadores de Oskar Schindler, que requisitou centenas de judeus para trabalhar na sua fábrica. Hoje, o gueto de Cracóvia é parte integrante da memória coletiva e do roteiro turístico da cidade, do qual restam ou foram reconstruídos, entre outros vestígios, pedaços do muro e a fábrica de Schindler.

Ouça aqui outros episódios do programa Dias da História

Ficha Técnica

  • Título: Os Dias da História - Fim da batalha de Gallipoli, na Turquia
  • Tipo: assalto das SS nazis ao gueto de Cracóvia
  • Autoria: Paulo Sousa Pinto
  • Produção: Antena 2
  • Ano: 2018
  • Fotografia: Mit Gewalt aus Bunkern hervorgeholt, autor desconhecido

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui