Pesquisar

Encerramento do Congresso de Berlim

Durante um mês completo, entre 13 de junho e 13 de julho de 1878, as grandes potências europeias reuniram-se em Berlim para tentar obter um acordo sobre uma questão que ameaçava o equilíbrio e a paz na Europa: a definição do mapa político da Península dos Balcãs após o desfecho da guerra entre a Rússia e o Império Otomano.

As seis potências eram a Alemanha, a Rússia, o Império Austro-Húngaro, a Grã-Bretanha, a França e a Itália. Igualmente presentes estiveram alguns dos estados diretamente envolvidos, ou seja, o Império Otomano, a Sérvia, a Roménia, a Grécia e o Montenegro. Na verdade, eram meros espetadores das negociações e das decisões tomadas pelas grandes potências. Nesse dia foi assinado um tratado que revia os termos de um tratado anterior, o Tratado de San Stefano, e consagrou o reconhecimento da independência da Sérvia, do Montenegro e da Roménia, ao mesmo tempo que reduzia a dimensão da Bulgária e enfraquecia o Império Otomano.

 

  • Quais eram os riscos para a paz na Europa?

Os Balcãs eram o que se pode chamar de um complexo “barril de pólvora” em permanente risco de explosão devido à instabilidade criada pela desagregação do Império Otomano, ao longo do século XIX. Tratava-se de uma região onde coexistiam várias nacionalidades, grupos étnicos, minorias e religiões, por vezes em alinhamento com os interesses e as ambições de várias potências rivais entre si, nomeadamente a Alemanha, a Rússia e o Império Austro-Húngaro.

O Congresso de Berlim foi, assim, uma forma de satisfazer os interesses e acalmar os receios das grandes potências, sem grandes cuidados acerca das aspirações dos diversos povos balcânicos. Foram criadas grandes expectativas sobre o encontro, do qual se esperava uma solução definitiva para os conflitos na região. Na prática, porém, o Congresso apenas agravou a desconfiança e a tensão entre as potências, nomeadamente da Rússia, que tinha ganho a guerra contra os turcos mas que não viu as suas pretensões satisfeitas.

 

  • Quais foram, então, as consequências do Congresso?

O Tratado de Berlim resolveu a crise de forma precária e momentânea, mas as soluções encontradas não acalmaram a profunda desconfiança entre as diversas potências, uma vez que vários conflitos e tensões pendentes foram deixadas de fora da mesa das negociações. Foi, sobretudo, uma vitória para a própria Alemanha e para o Chanceler Otto von Bismarck, que reforçou a sua posição no seio das nações e emergiu como o grande árbitro da Europa.

O Tratado agravou o clima de ressentimento junto de várias nacionalidades balcânicas, nomeadamente as lutavam por um estado independente mas que permaneciam sob domínio otomano. O agravamento das tensões e a incapacidade das potências em encontrar soluções comuns conduziram a uma escalada gradual da crise nos Balcãs, acabando por desembocar em duas guerras balcânicas, em 1912 e 1913 e, finalmente, à I Guerra Mundial, no ano seguinte.

Ouça aqui outros episódios do programa Dias da História

  • Temas: História
  • Ensino: 3º Ciclo, Ensino Secundário

Ficha Técnica

  • Título: Os Dias da História - Encerramento do Congresso de Berlim
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Paulo Sousa Pinto
  • Produção: Antena 2
  • Ano: 2017
  • Congresso de Berlim: Anton von Werner

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui