Pesquisar

Execução do Padre Gabriel Malagrida, em Lisboa

No dia 20 de setembro de 1761 teve lugar um auto-de-fé nos claustros do Convento de S. Domingos, em Lisboa. A principal figura era Gabriel Malagrida, um padre jesuíta italiano acusado e condenado por heresia pela Inquisição e “relaxado à justiça secular”, ou seja, condenado à morte.

Foi conduzido pelas ruas de Lisboa “com mordaça e carocha”, isto é, amarrado e com barrete de condenado, até ao Rossio, onde foi garroteado e o seu corpo queimado na fogueira, já no dia seguinte. As suas cinzas foram posteriormente atiradas ao rio.

Assim terminou o processo do padre Malagrida, o “padre das barbas brancas”, como era popularmente conhecido, um caso muito controverso e que ainda hoje é motivo de discussão entre os historiadores.

Malagrida estava preso há vários anos por alegado envolvimento no atentado ao rei D. José e que foi denunciado e preso pela Inquisição em janeiro de 1760. Foi o último réu da Inquisição a sofrer a pena de morte, em Portugal.

 

  • Quem era este personagem, o padre Malagrida?

Gabriel Malagrida nasceu em Milão e entrou para a Companhia de Jesus, ainda em Itália, mas fez a sua carreira como missionário em diversas regiões do Brasil, onde viveu até 1754.

Estava em Lisboa aquando do grande terramoto que ocorreu no ano seguinte. Imbuído de um intenso fervor religioso, Malagrida rejeitou a explicação oficial do terramoto, que apontava para causas naturais, e afirmava que se tinha tratado de um castigo divino, exortando a população à penitência.

A crescente hostilidade de Sebastião José de Carvalho e Melo, futuro marquês de Pombal, aos jesuítas, e a ligação de Malagrida aos círculos da oposição levaram ao seu desterro, primeiro, e à sua prisão, pouco depois, sob acusação de ser o instigador moral do atentado ao rei D. José.

Por esta altura, Gabriel Malagrida era acometido de visões e aparições, afirmando falar diretamente com Deus e a Virgem Maria. Tornou-se, portanto, um alvo fácil para a Inquisição, que era já controlada pelo marquês de Pombal, e foi acusado de ser um impostor, um falso profeta e um hereje.

 

  • Que impacto teve a sua morte?

A execução de Gabriel Malagrida foi naturalmente um processo com motivações políticas, preparado e levado a cabo pelo marquês de Pombal. A forma como as suas crises místicas foram aproveitadas para colocá-lo sob a alçada da Inquisição revela como este tribunal era agora um órgão ao serviço da Coroa.

O processo de Malagrida teve ampla divulgação, tanto em Portugal como no estrangeiro. A sentença foi publicada em várias línguas. O maior impacto foi, talvez, causado pela atenção que lhe dedicou Voltaire, ao descrever o processo e o seu desfecho.

Não deixa de ser curioso que o filósofo francês das Luzes, que era hostil aos jesuítas e à subordinação de Portugal à Santa Sé, manifeste repulsa pelo processo do padre Malagrida, não por achá-lo inocente, mas por ter sido executado pela Inquisição. Ficou célebre o seu juízo, condensado num escrito de 1768 e que diz o seguinte: “a enormidade do ridículo e do absurdo somou-se à enormidade do horror”.

  • Temas: História
  • Ensino: 3º Ciclo, Ensino Secundário

Ficha Técnica

  • Título: Os Dias da História - Execução do Padre Gabriel Malagrida, em Lisboa
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Paulo Sousa Pinto
  • Produção: Antena 2
  • Ano: 2017
  • Gabriel Malagrida Societatis Jesu, in Lusitania missionarius apostolicus: Biblioteca Nacional

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui