Pesquisar

Infante D. Henrique nomeado Administrador da Ordem de Cristo

A 25 de maio de 1420, o papa Martinho V emitiu a bula In apostolice dignitatis specula, pela qual nomeava D. Henrique como Administrador Geral da Ordem de Cristo, após a morte do Grão Mestre D. Lopo Dias.

Foi uma resposta positiva aos apelos do rei D. João I nesse sentido e veio na continuidade da concessão idêntica ao Infante D. João para a Ordem de Santiago. Ficava assim completa a formação da casa senhorial do Infante D. Henrique, após ter recebido o ducado de Viseu e o senhorio da Covilhã.

A Ordem de Cristo era uma instituição poderosa e influente, dotada de importante património e de rendimentos, e herdeira da Ordem do Templo, a antiga ordem militar das Cruzadas que havia sido extinta no século XIV. É de salientar, contudo, que o Infante não foi nunca Grão Mestre da Ordem, mas apenas administrador dos seus bens e recursos, que deveria aplicar na defesa de Ceuta, conquistada alguns anos antes.

 

  • Que importância teve a Ordem de Cristo nos descobrimentos henriquinos?

Os recursos da Ordem foram essenciais para os projetos do Infante D. Henrique. Inicialmente, aplicou-os na defesa e no abastecimento de Ceuta, e o seu intento era o de prosseguir as conquistas em Marrocos. No entanto, o fracasso da expedição a Tânger, em 1436, veio refrear estes projetos e acabou por conduzi-lo a rumos alternativos: explorar a costa africana, contornar Marrocos pelo sul, procurar os cristãos que se dizia existirem além do mundo muçulmano.

Portanto, o que começou como uma iniciativa tipicamente medieval, ao afrontamento do mundo muçulmano, transformou-se gradualmente em algo novo, num desbravamento da costa africana e de exploração e colonização do Atlântico. A retórica ligada à Cruzada e expansão da Fé permitiu a ligação dos dois vetores, num alinhamento entre curiosidade geográfica, interesse económico e motivação religiosa.

Na década de 1450, o papado garantia a Portugal a exclusividade do acesso às novas terras e incentivava os portugueses a prosseguir, “até à terra dos índios”, como constava numa das bulas.

 

  • E que aconteceu depois da morte do Infante?

Após a morte de D. Henrique, em 1460, a administração da Ordem de Cristo passou para o seu sobrinho D. Fernando, depois para o seu filho D. Diogo, duque de Beja e finalmente, em 1487, para o seu irmão D Manuel, que subiu ao trono pouco depois como D. Manuel I.

Assim, a Ordem de Cristo ficou associada à coroa de Portugal, que várias bulas papais confirmaram e cujo âmbito alargaram. O efeito mais importante desta íntima associação entre o poder temporal do rei e os privilégios da ordem de Cristo foi o chamado Direito do Padroado, pelo qual os reis de Portugal assumiram o papel de patronos e protetores da ação missionária e da organização da Igreja Católica nos seus domínios.

Entre outros exemplos, eram os reis quem escolhia os bispos das novas dioceses que foram criadas em África, no Brasil e na Ásia. Este protagonismo nos assuntos religiosos provinha, portanto, do facto de os reis de Portugal serem simultaneamente administradores da Ordem de Cristo, a título perpétuo.

  • Temas: História
  • Ensino: 3º Ciclo, Ensino Secundário

Ficha Técnica

  • Título: Os Dias da História - Nomeação do Infante D. Henrique como Administrador da Ordem de Cristo
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Paulo Sousa Pinto
  • Produção: Antena 2
  • Ano: 2017
  • Infante D. Henrique: Crónicas dos Feitos de Guiné by Gomes Eanes de Zurara (codex of Bibliothèque nationale de Paris)

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui