Pesquisar

Leonor de Avis, fundadora da Misericórdias

Casada com o primo direito João II de Portugal, fundou as Misericórdias - em Portugal e nos territórios ultramarinos - para ajudar os mais pobres. Promoveu a construção de hospitais e do Convento da Madre de Deus, onde pediu para ser sepultada.

Leonor era filha do infante D. Fernando, duque de Viseu e Condestável do Reino (filho do rei Duarte I de Portugal e da rainha Leonor de Aragão) e da Infanta D. Beatriz, também ela uma princesa de Avis. Ao nascer, foi destinada a João II de Portugal – o “Príncipe Perfeito” – por vontade e promessa de seu tio Afonso V. Casou com o primo direito a 22 de janeiro de 1470 quando tinha apenas 12 anos de idade, e o noivo 15.

Após a morte do rei, em 1495, subiu D. Manuel – irmão dele – ao trono, e ao casar-se este, D. Leonor passou a ser conhecida como “Rainha Velha”. Manteve grande destaque na corte lusitana, sendo regente do reino mais do que uma vez, mas retirou-se de luto e foi a viver no Paço de Xabregas (D. João III não permitiu que se recolhesse no Convento de Odivelas). Apoiou D. Manuel na fundação do Hospital de Todos os Santos, no Rossio de Lisboa, “o melhor hospital da Europa no seu tempo” e esteve na origem da fundação do hospital termal das Caldas da Rainha, cuja construção e funcionamento custeou, e que dela tira o seu nome. Ordenou ainda que fosse construído, em estilo gótico manuelino, o convento da Madre de Deus.

D. Leonor faleceu em Xabregas a 17 de novembro de 1525 e foi sepultada na Madre de Deus, tal como pedira.

  • Temas: História
  • Ensino: 2º Ciclo, 3º Ciclo, Ensino Secundário

Ficha Técnica

  • Título: Grandes Portugueses
  • Tipo: Programa de Televisão

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui