Pesquisar

O fracasso da expedição a Tânger

Conquistar praças no norte de África, dominar o comércio, construir um império. O sonho dos portugueses transformou-se num pesadelo em Tânger, em 1437. O infante D.Henrique rendeu-se e D. Fernando, seu irmão, ficou em perpétuo cativeiro.

A partida para a cidade fortificada de Tânger terá sido precipitada por se suspeitar que Castela tinha a intenção de avançar sobre a praça marroquina. A expedição foi preparada sem o secretismo que envolvera a operação de Ceuta. Os mouros sabiam que os portugueses iam chegar e prepararam bem a sua defesa.

A expedição, aprovada pelo rei D. Duarte,  levava cerca de 8 mil homens  e chegou a Tânger em setembro de 1437. Os combates duraram 37 dias, até que os portugueses ficaram cercados e o Infante D. Henrique aceitou render-se, fazendo promessa de devolver Ceuta em troca da liberdade do irmão, feito refém juntamente com outros portugueses.

Apesar de Ceuta ser difícil de defender e manter, o Infante, apoiado pela nobreza, recusava entregar a cidade,  um ponto estratégico para a sua campanha em África e um símbolo da cruzada contra o Islão em terras desconhecidas. Convocaram-se as  Cortes, mas a questão permaneceu em aberto e D. Fernando acabou por morrer.

Tânger acabou por ficar sob domínio português em 1471. Quase duzentos anos depois, foi oferecida à coroa inglesa como dote do casamento de D. Catarina de Bragança com Carlos II, rei da Grã-Bretanha e da Irlanda.

 

 

Ficha Técnica

  • Título: A Alma e a Gente - Memorial do Barlavento
  • Tipo: Extrato de Programa
  • Autoria: José Hermano Saraiva
  • Produção: Videofono / RTP
  • Ano: 2003

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui