Pesquisar

I Grande Guerra: Prisioneiros do Passado

Passaram fome, viveram entre ratos e baratas. Os prisioneiros portugueses da I Grande Guerra tiveram um vida difícil nos campos alemães. Em Portugal as famílias também passavam dificuldades, pois muitas vezes não sabiam qual o destino dos filhos, irmãos ou maridos, e acreditavam que estes tinham morrido em combate quando, de facto, tinham sido capturados.

Dos 50 mil portugueses mandados para as trincheiras da frente ocidental, na I Grande Guerra, milhares perderam a vida e muitos mais foram feitos prisioneiros.

Só na Batalha de La Lys, em abril de 1918, mais de 6500 portugueses foram capturados e levados para campos de concentração na Alemanha. Não há muita informação sobre o que passaram esses militares e foi isso que chamou a atenção de Maria José Oliveira, autora do livro “Prisioneiros Portugueses da Primeira Guerra Mundial – Frente Europeia – 1917/1918”.

Também ajudou a despertar a curiosidade a sua experiência familiar, pois o avô chegou a ser declarado morto e a família realizou mesmo um funeral sem cadáver. Em 1919 este regressaria depois de ter estado num campo de prisioneiros sem que o seu nomes alguma vez aparecesse nas listas.

Ficha Técnica

  • Título: Prisioneiros do Passado
  • Tipo: Reportagem
  • Autoria: Miguel Soares
  • Produção: Antena 1
  • Ano: 2018

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Consulte a nossa Política de Privacidade.