Pesquisar

Serviço postal e censura

Escrever uma carta ou um postal era muitas vezes a única forma de fazer chegar a Portugal as novas de quem estava na frente de batalha. Estes escritos chegavam a terras lusas muitas vezes em meias palavras - por falta de espaço ou tempo - enquanto outros se perdiam no trajeto, nos meandros da censura militar.

Os Serviços Postais de Campanha nasceram muito antes dos primeiros homens viajarem para França, em 14 de Dezembro de 1912, mas não foi dado qualquer passo prático para dar forma a este tipo de serviço.

Tudo foi organizado para o exército operar em território nacional, metrópole e colónias, e nunca foi equacionado que este serviço viesse a ser necessário fora dessas fronteiras. A primeira vez que se levantou a questão e se realizou um ensaio a sério foi em 1916, aquando das manobras militares do Corpo Expedicionário Português (CEP), em Tancos.

O CEP estava dotado de 17 repartições ou serviços, e entre estes encontrava-se o Serviço Postal de Campanha, com dependência direta do Subchefe do Estado Maior.

Quando o exército começou a deslocação dos 55 mil homens para França foi necessário organizar um serviço postal com novas funcionalidades. O acordo inicial entre os exércitos português e britânico para o território francês não contemplava a utilização dos serviços ingleses razão porque foi criado de raiz, em 1917, o SPC para atuar naquele país.

Executar um serviço de troca de informações, quer militares quer civis, em zona de conflito, não era igual a um serviço civil de troca de correspondência. Diariamente havia deslocações entre as unidades e as estações. O avanço e recuo da frente implicava também mudanças na forma como esta rede operava.

Era ainda obrigatória uma fiscalização permanente porque em todas as operações militares o segredo é uma das mais importantes vertentes para o sucesso de qualquer operação.

Parte importante desta correspondência era também censurada para que não fossem passadas informações militares importantes para o inimigo. Este serviço impôs novas instruções a que o regulamento postal teve de se adaptar.

Em 1916 foi profícua a publicação de legislação relativa à Censura abordando, nomeadamente, os assuntos a controlar, a nomeação e gratificação dos censores, as línguas e os carimbos utilizados, entre outras.

Para ler este artigo na íntegra clique AQUI.

Ficha Técnica

  • Título: Postal da Grande Guerra - Serviço Postal de Campanha I
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Nuno Patrício
  • Produção: RTP
  • Ano: 2017

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui