A elegia autobiográfica de Camões
Ensino:

Destemido e aventureiro, Camões abraça o exílio em 1553, depois de ter ferido o arrieiro do rei. Deixa a pátria lusitana, enfrenta os mares navegados por Vasco da Gama até alcançar a Índia. Em Goa escreve uma elegia, um poema embrião dos Lusíadas.

Anos depois de ter iniciado carreira militar numa expedição a Ceuta, onde é ferido num olho durante uma batalha, Luís de Camões regressa à vida de soldado, desta vez em terras do Oriente. A 24 de março de 1553 deixa “a ocidental praia lusitana” e parte para a Índia na armada de Fernão Álvares Cabral. Porventura nesta viagem, encontra ou reencontra mais profundamente o sentido do trajeto histórico do capitão Vasco da Gama, que irá imortalizar com um poema épico de mil cento e uma estrofes.

Em Goa escreve a elegia “O poeta Simónides falando”, que o ensaísta Helder Macedo, especialista camoniano, diz ser “um embrião de alguns dos momentos culminantes dos Lusíadas”.

Os Lusíadas: um poema épico e crítico
Veja Também

Os Lusíadas: um poema épico e crítico

Camões e Os Lusíadas
Veja Também

Camões e Os Lusíadas

“Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”, de Luís de Camões
Veja Também

“Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”, de Luís de Camões

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Uma Questão de Palavras
  • Tipologia: Extrato de Magazine Cultural
  • Autoria: Luísa Mellid-Franco
  • Produção: Videofono
  • Ano: 1992