Álvaro de Campos: “Uma Aventura Amorosa”
Ensino:

A 13 de junho teremos sempre o aniversário do senhor Pessoa para celebrar. Com os seus amigos mais íntimos, companheiros inventados que juntaram milhares de palavras às que escrevia em nome próprio. Cada poema ou linha de prosa de Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Ricardo Reis é mais um fragmento do eu genial que foi Fernando Pessoa. Nos 120 anos do nascimento do maior poeta do século XX português fez-se este encontro com a sua poesia simples, complexa, singular. Escolheram-se vozes diferentes para as Pessoas de Pessoa. Aqui, Nuno Júdice lê um excerto do texto "Uma Aventura Amorosa".

Uma Aventura Amorosa

Não costumo pôr à arte a canga da sensualidade. Confesso, contudo, que devo a uma obra minha, mas de maneira indireta, uma aventura amorosa. Foi em Barrow-in-Furness que é um porto na costa ocidental da Inglaterra. Ali, certo dia, depois de um trabalho de arqueação, estava eu  sentado sobre um barrica, num cais abandonado. Acabava de escrever um soneto – elo de uma cadeia de vários – em que o facto de estar sentado nessa barrica era um elemento de construção. Aproximou-se de mim uma rapariga, por assim dizer, – aluna, segundo depois soube, do liceu (High School) local -, e entrou em conversa comigo. Viu que estava a escrever versos e perguntou-se como, nestas ocasiões se costuma perguntar, se eu escrevia versos. Respondi, como nestes casos se responde, que não. A tarde, segundo a sua obrigação tradicional, caía lenta e suave. Deixei-a cair. É conhecida a índole portuguesa e o caráter propício das horas, independentemente das índoles e dos portugueses. Foi isto uma aventura amorosa? Não chegarei a dizê-lo. Foi uma tarde, num cais longe da Pátria; e hoje é, decerto, uma recordação a ouro fosco. Assim diríamos no «Orpheu»; assim não deixarei de o dizer agora.

A vida é extremamente complexa, e os acasos, são, por vezes, necessários. O conto não tem nome, desde o princípio. O ouro fosco ficou húmido e a tarde caiu definitivamente.

Almas e Estrelas. Álvaro de Campos.

 

“O Luar”, de Alberto Caeiro
Veja Também

“O Luar”, de Alberto Caeiro

O amor em Fernando Pessoa
Veja Também

O amor em Fernando Pessoa

“Não sei de Amor senão”, de Manuel Alegre
Veja Também

“Não sei de Amor senão”, de Manuel Alegre

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Pessoa, Pessoas
  • Tipologia: Programa de Poesia
  • Autoria: Inês Pedrosa
  • Produção: Casa Fernando Pessoa
  • Ano: 2008