Pesquisar

As Trovas do Bandarra

Não era esperado que um sapateiro soubesse ler e escrever no século XVI. Mais raro ainda era ser o autor de trovas interpretadas como profecias, que ficaram para a posteridade. Gonçalo Anes, o Bandarra, foi venerado pelo povo e acusado pelo Santo Ofício. O que dele sabemos vem no processo inquisitorial que lhe confiscou os textos e o condenou a nunca mais escrever sobre assuntos sagrados. Mas a censura não impediu os seus versos de guiar causas e inspirar alguns dos maiores criadores da Língua Portuguesa.

Sapateiro de profissão em Trancoso, Gonçalo Anes, o Bandarra, de alcunha, tornou-se no poeta das Trovas que causaram alvoroço no século XVI. Os versos enigmáticos que muitos acreditavam ser profecias, eram já um caso de sucesso em Lisboa quando o seu autor entrou na mira da Inquisição. Foi preso e interrogado, no entanto o Santo Ofício não encontrou vestígios de judaísmo nas rimas simples e condenou-o a sentença ligeira por causa das  referências aos livros sagrados.

É certo que escapou à fogueira, mas “teve de se remeter ao silêncio”, ficando impedido de ler ou escrever sobre o Antigo Testamento e ainda obrigado “a dizer publicamente como é que as Trovas deviam ser entendidas”. Apesar de incluídos no Catálogo dos Livros Proibidos, os textos sobreviveram à censura e o talento do Bandarra para adivinhar o futuro da História ganhou fama nacional.

Ao longo dos tempos ajustaram-se as Trovas a diferentes causas e interesses, a convicções e esperanças. Sucessivas edições manuscritas e clandestinas, deram alento ao mito sebastianista, serviram a Restauração, “tiveram um impacto difícil de imaginar”, salienta Isabel Almeida, professora de literatura, neste episódio do programa Visita Guiada. Nos seus versos, houve uma ideia original a inspirar dois dos mais ilustres  pensadores e criadores da Língua Portuguesa, a ideia de um Portugal como reino universal que Padre António Vieira e Fernando Pessoa projetaram como a utopia do Quinto Império.

Profeta messiânico, visionário ou, simplesmente, um homem capaz de adivinhar os sonhos dos portugueses?

Fernando Pessoa descreve-o assim, na Mensagem:

Sonhava, anónimo e disperso,
O Império por Deus mesmo visto,
Confuso como o Universo
E plebeu como Jesus Cristo.

Não foi nem santo nem herói,
Mas Deus sagrou com Seu sinal
Este, cujo coração foi
Não português mas Portugal.

Ficha Técnica

  • Título: Visita Guiada - A Trancoso do Bandarra
  • Tipo: Programa Cultural
  • Autoria: Paula Moura Pinheiro
  • Produção: RTP
  • Ano: 2017

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui