Pesquisar

Cândido Oliveira: desportista, espião e jornalista

Cândido Fernandes Plácido de Oliveira (1896 - 1958) nasceu em Fronteira, Portalegre, mas ficou orfão sendo acolhido na Casa Pia. Interessado em desporto jogou ou treinou futebol nos três grandes clubes e orientou a seleção nacional por mais de uma vez. Durante a II Guerra Mundial foi preso por espionagem. Ficou ainda conhecido como jornalista. Hoje o futebol recorda-o através de uma taça que tem o seu nome.

Tinha seis anos quando chegou à Casa Pia onde se revelou um aluno empenhado e um grande desportista. As suas capacidade físicas levaram a que integrasse o futebol do Benfica entre 1914 e 1920, ano em que fundou o Atlético Casa Pia com outros casapianos. Em 1921 foi capitão da seleção de Portugal no seu primeiro compromisso internacional frente a Espanha, que os últimos venceram por 3-1.

Em 1928 vamos encontrá-lo a orientar a seleção nos Jogos Olímpicos de Amsterdão e contra todas as expectativas os portugueses eliminaram o Chile e a Jugoslávia, caindo apenas nos quartos de final frente ao Egipto.

Enquanto desempenhava as funções de treinador era também funcionário dos correios, uma carreira que durante a II Guerra Mundial terá sido útil quando se envolveu no que ficou conhecido como a rede Shell, uma organização de espionagem inglesa assim baptizada porque era constituída por muitos funcionários daquela petrolífera britânica. A PVDE desmantelaria a estrutura e Cândido Oliveira, como outros, foi detido e enviado para a colónia prisional do Tarrafal.

De regresso a Lisboa retomou a sua atividade como jornalista desportivo e após o final da guerra ajudou a fundar o jornal “A Bola”. Voltou também a treinar, nomeadamente, a seleção, o Sporting – com os seus cinco violinos – e mais tarde o Futebol Clube do Porto.

Fica doente na Suécia quando está a cobrir o Mundial de Futebol de 1958 e acaba por falecer.

A série documental “À porta da História”  traz para o domínio do grande público 13 portugueses que se destacaram no seu tempo e, através das suas ações ou da sua obra e conquistaram um lugar na galeria de notáveis. São personalidades com percursos inesperados e cheios de curiosidade que, por acasos do destino, deslizaram para uma zona obscura do mediatismo histórico.

Foram notáveis. Fizeram obra. Muitos deixaram seguidores e influenciaram as gerações seguintes, mas são pouco recordados nas efemérides, nas comemorações, nos manuais escolares ou nas páginas de jornais.

Ficha Técnica

  • Título: À Porta da História - Cândido de Oliveira
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Jorge Nunes/ Jorge Paixão da Costa/ Pandora da Cunha Teles
  • Produção: Ukbar Filmes/RTP
  • Ano: 2015

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui