Casa Museu Miguel Torga
Ensino:

Numa zona alta de Coimbra donde via a serra a lembrar as paisagens da aldeia natal, Adolfo Correia da Rocha, Miguel Torga de pseudónimo, construiu a sua casa. O escritório, a máquina de escrever, o divã "sarcófago": tudo permanece como no tempo em que lá viveu.

Esta casa é uma peça biográfica, “um retrato físico” do médico-escritor que nasceu em 1907  em São Martinho da Anta, Trás-os-Montes, e viveu mais de 40 anos em Coimbra. Um lugar de intimidade e de escrita, construído à medida de Miguel Torga e da sua mulher, Andrée Cabrée Rocha. Logo à entrada somos recebidos pela urze bravia dos montes transmontanos, a torga, que adotou para pseudónimo e ali plantou, a marcar a sua segunda terra. O nome próprio que o autor de “Contos da Montanha” e “Bichos” escolheu para si, Miguel, é uma homenagem aos dois espanhóis que mais admirava:  Miguel de Cervantes e Miguel de Unamuno.

Miguel Torga, a força da terra
Veja Também

Miguel Torga, a força da terra

Entramos no número 3 da praceta Fernando Pessoa. Os objetos pessoais conservam a memória dos dias passados à escrivaninha, onde redigiu grande parte dos seus livros.  No escritório, a única divisão com lareira, vemos a caneta de tinta permanente,  a máquina de escrever Royal e o divã que chamava “o meu sarcófago”. O acervo inclui documentos, fotografias, primeiras edições assinadas, algumas ainda como Adolfo Rocha. E há todo o mobiliário descoberto em peregrinações a antiquários, cerâmica, pintura, escultura; algumas obras de arte representam o próprio escritor. Permanece tudo igual, como no tempo em que lá vivia o homem que se agarrava à terra como se fosse a raiz de um arbusto.

 

Casa Museu Guerra Junqueiro
Veja Também

Casa Museu Guerra Junqueiro

Casa Museu de Eça de Queirós
Veja Também

Casa Museu de Eça de Queirós

 

 

 

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Ler+ ler melhor - Casa Museu Miguel Torga
  • Tipologia: Extrato de Magazine Cultural
  • Produção: Filbox produções
  • Ano: 2012