Pesquisar

À conquista da fortaleza de Elvas, antiga "chave do reino"

Esta cidade já foi a mais importante linha de defesa da nação. Aqui, muitos caíram a lutar contra os espanhóis. Mas Elvas, a poderosa, resistiu sempre. Porque tem o maior sistema de fortificações abaluartadas do mundo. É Património Mundial da Humanidade.

Era ainda Elvas uma pequena vila da raia alentejana, já as suas muralhas dominavam a paisagem da planície. Durante séculos foi sendo ali construída uma fortaleza inexpugnável, que a defendesse dos ataques fronteiriços dos vizinhos castelhanos e, ao mesmo tempo, garantisse a independência de Portugal. As primeiras fortificações com alguma projeção e dimensão são do tempo dos romanos. Mais tarde, os muçulmanos edificaram um castelo numa das colinas, que será conquistado em 1226, no reinado de Sancho II, passando Elvas a ser uma vila inteiramente portuguesa.

O castelo foi logo reedificado, as muralhas remodeladas e acrescentadas pelos sucessivos reis: foram abertas portas, levantados torreões, construída uma torre de menagem sem igual. D. Fernando, que se encontrava em constantes guerras com Castela, viu-se obrigado a construir uma terceira cintura defensiva de muralhas. Entre a defesa e o ataque, a vila, elevada a cidade em 1513,  ganhava importância estratégica e uma identidade militar. Com a crise de 1580, foi entregue aos espanhóis a troco de dinheiro distribuído por Filipe II. Algumas décadas depois, com obras de melhoramento realizadas entretanto no seu perímetro defensivo (com quase 10 quilómetros), o resgate fez-se pagar com sangue.

Assim, as  guerras de fronteira que se seguiram à Restauração, em 1640, puseram à prova a resistência raiana: durante quase três meses a cidade foi bombardeada pelos espanhóis comandados por Luís de Haro, ao mesmo tempo que população e soldados eram dizimados por uma grave epidemia. Acabaram socorridos por uma força vinda de Estremoz que venceu a Batalha das Linhas de Elvas e impediu que Portugal caísse de novo em poder do inimigo. A praça-forte escolhida depois para sede do governo militar do Alentejo, tornou-se uma das mais poderosas do país, conhecida então como a “chave do reino”: “quem abrisse esta entrada, tinha um caminho fácil até Lisboa”.

Esta vitória, e as outras que se seguiram, deveram-se a um raro sistema de defesa composto pelo maior conjunto de fortificações abaluartadas terrestres do mundo, um projeto complexo e pioneiro atribuído ao engenheiro holandês Cosmander e a outros mestres, e iniciado no século XVII.

Do passado glorioso de Elvas ficou uma herança única reconhecida pela UNESCO em 2012 como Património Mundial da Humanidade, de onde se destacam o Forte da Graça e o Forte de Santa Luzia. Hoje, sem invasores por perto, podemos visitar aquela que foi a mais importante linha de defesa da nação com a jornalista Paula Moura Pinheiro e o especialista em arquitetura militar, Domingos Bucho.

 

Ficha Técnica

  • Título: Visita Guiada
  • Tipo: Programa Cultural
  • Autoria: Paula Moura Pinheiro
  • Produção: RTP
  • Ano: 2015

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Consulte a nossa Política de Privacidade.