Pesquisar

A conquista de Ceuta: um dia de combate

Uma armada com 212 navios saiu de Faro a 7 de agosto de 1415. D. João I, determinado a conquistar Ceuta, comandava uma expedição militar com mais de 20 mil homens. Apanhados de surpresa, os mouros não resistiram e a cidade foi facilmente tomada.

Há muito que os portugueses olhavam para as praças do norte de África como uma saída para os seus problemas económicos e sociais. Abrir caminho para as rotas do ouro africano, expandir a fé cristã e dominar o comércio além-mar, foram as principais motivações para esta expedição que começou com uma vitória.

No dia 21 de Agosto de 1415,  D. João I entrava em Ceuta e, sem resistência, tomava a “pérola do mediterrâneo”. Dizem os relatos que morreram milhares de mouros e que, do lado dos portugueses, apenas caíram oito homens, apedrejados na praia onde aportaram.

O rei ganhava assim uma cidade comercial importante, ao mesmo tempo que conquistava a admiração dos outros monarcas europeus e da própria Igreja, que apoiava a luta contra os infiéis do Islão.

No regresso da expedição, os navios vieram carregados com os despojos de Ceuta, mas a praça revelou-se um sorvedouro para os cofres do reino, que mais gastava com a sua manutenção do que de lá tirava: quase todo o comércio tinha sido desviado pelos muçulmanos. Apesar de não ter correspondido às expetativas, a conquista de Ceuta marca o início dos descobrimentos, um dos períodos mais importantes da história de Portugal.

 

Ficha Técnica

  • Título: Horizontes da Memória - A tomada de Ceuta
  • Tipo: Extrato de Programa
  • Autoria: José Hermano Saraiva
  • Produção: Videofono / RTP
  • Ano: 2002

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Consulte a nossa Política de Privacidade.