Pesquisar

A indústria no fim da monarquia

No final do século XIX, Portugal continuava a ser um país rural com pouca indústria que utilizava sobretudo matérias primas fornecidas pelo campo, nomeadamente lãs e a cortiça.

O Ultimato Inglês teve por consequência o estabelecimento de um conjunto de leis proteccionistas defendidas por Oliveira Martins que, em 1892, contribuíram para um novo surto industrial no país. Muitos dos engenhos destas fábricas continuaram a ser movidos através de energia hidráulica, mas também há um reforço do número de máquinas a vapor.

Curiosamente é deste período o primeiro filme português, tendo por  tema a saída dos operários da Fábrica Confiança, no Porto.

Muitas vezes a mecanização recebe forte resistência do operariado que teme perder o emprego. Por outro lado encontra-se muito desprotegido, sujeitando-se a condições de trabalho desumanas, sem horários e sem direito à greve. O recurso à mão de obra infantil é recorrente.

Nas principais cidades do país constroem-se centrais elétricas e o Porto é a primeira cidade portuguesa onde se instalam carris nas ruas para os carros elétricos.

Ficha Técnica

  • Título: História da Indústria em Portugal - Democracia, autoritarismo, industria controladora
  • Tipo: Extrato de Programa
  • Produção: RTP/ AEP
  • Ano: 2000

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Consulte a nossa Política de Privacidade.