Pesquisar

Arménio Vieira, conde da sátira crioula

Jornalista e poeta cabo-verdiano, assume uma postura ideológica desde cedo, adotando o pseudónimo de Conde de Silvenius. Foi preso pela PIDE, em 1961, e passa a dedicar-se à poesia irónica, satírica e muito crítica. Venceu o Prémio Camões em 2009.

Arménio Vieira e Silva nasceu na Praia, ilha de Santiago, a 24 de janeiro de 1941. Conhecido no mundo da literatura por Conde de Silvenius, pertenceu à ‘geração de 60’, marcada pela revolta e combate ao governo colonial português. Em 1961, era Arménio ainda um jovem, foi preso pela PIDE e inicia a sua carreira como escritor. Jornalista de formação, fez parte de várias publicações entre as quais o Jornal Di Povo. Colaborou também com a revista de cultura e arte Vértice, fundada em Coimbra e com Ponto e Virgula, Fragmentos, Sopinha de Alfabeto e Raízes.

A  carreira de escritor começa em 1981 com a publicação de “Poemas”. Em 2009 publicou o seu último livro “O poema, a viagem, o sonho” e conquista uma das distinções mais desejadas na literatura portuguesa – o Prémio Camões.  As obras de Arménio Vieira,  considerado um dos melhores escritores africanos pela originalidade e complexidade das suas obras, são um marco na história literária de Cabo Verde e um contributo para a língua portuguesa.

Ficha Técnica

  • Título: Grandes Africanos
  • Tipo: Programa de Televisão
  • Autoria: Milene Matos Silva
  • Produção: Companhia de Ideias para a RTP
  • Ano: 2014

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui