Pesquisar

Captura do imperador inca Atahualpa por Francisco Pizarro

Um dos episódios mais dramáticos e decisivos para o sucesso da conquista espanhola da América do Sul ocorreu a 16 de novembro de 1532, na cidade de Cajamarca, no Peru, onde Francisco Pizarro capturou Atahualpa, Imperador dos Incas.

Francisco Pizarro tinha desembarcado na região à frente de um pequeno exército de centena e meia de soldados espanhóis e estabeleceu-se na cidade, com permissão do imperador inca Atahualpa. Decidiu então enviar-lhe uma delegação com um convite para que viesse ao seu encontro. Confiante na esmagadora superioridade numérica do seu exército e na reduzida dimensão do contingente espanhol, Atahualpa aceitou.

Na tarde do dia 16 de novembro, o imperador entrou na praça principal de Cajamarca com um enorme cortejo cerimonial composto por milhares de soldados e acompanhado pelas principais figuras da nobreza. Ignorava que os espanhóis tinham preparado uma emboscada e que aguardavam a ordem de ataque, que foi dada após um breve contacto.

Apanhados completamente desprevenidos e aterrorizados pelo efeito das armas de fogo e dos cavalos, os incas foram massacrados e Atahualpa foi feito prisioneiro.

 

  • Como se explica este desfecho?

A descoberta do Oceano Pacífico por Balboa, em 1513, tinha lançado os conquistadores espanhóis no rasto da civilização inca, acerca da qual tinham obtido informações difusas. Após vários contactos, os espanhóis prepararam uma expedição de conquista, cujo comando foi entregue a Francisco Pizarro, em 1532.

O sucesso fulminante dos conquistadores ficou a dever-se, para além de uma incrível sorte e do efeito surpresa, à conjugação de vários fatores: por um lado, os espanhóis estavam animados por uma enorme determinação, confiança, ousadia e cobiça, estimuladas pela miragem do saque e pelo contacto com as fabulosas riquezas da civilização inca. Por outro lado, o império inca estava enfraquecido por uma guerra civil, entre Atahualpa e o seu irmão Huascar, e desconhecia totalmente as intenções e o poder dos conquistadores.

Além disso, os espanhóis incutiam um temor supersticioso, devido ao efeito causado pelas armaduras, pelas armas de fogo e, sobretudo, pelos cavalos, que eram desconhecidos naquela região.

 

  • O que aconteceu depois da captura do imperador?

A prisão de Atahualpa assinalou o colapso do império inca e o início da conquista do Peru pelos conquistadores espanhóis. O imperador foi utilizado como refém pelos espanhóis, permitindo a Pizarro apoderar-se gradualmente do poder. A certa altura, e apercebendo-se da enorme atração dos espanhóis pelo ouro, Atahualpa propôs pagar um enorme resgate: encher completamente a sala onde se encontrava prisioneiro de ouro e prata.

Os espanhóis, contudo, e apesar do fabuloso e inesperado enriquecimento, não o libertaram. Pelo contrário, o imperador foi executado alguns meses mais tarde, condenado por idolatria, heresia e traição, entre outras acusações. Os espanhóis avançaram então sobre a capital do império, Cuzco, que foi tomada e onde Pizarro colocou no trono um rei fantoche.

Com a chegada de reforços e aproveitando as divisões no interior do reino, os espanhóis apoderaram-se de todo o império e prosseguiram a conquista imparável de outras regiões da América do Sul.

Ouça aqui outros episódios do programa Dias da História

  • Temas: História
  • Ensino: 3º Ciclo, Ensino Secundário

Ficha Técnica

  • Título: Os Dias da História - Captura do imperador inca Atahualpa por Francisco Pizarro
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Paulo Sousa Pinto
  • Produção: Antena 2
  • Ano: 2017
  • Imagem: Gravura da época mostrando a captura do imperador inca Atahualpa

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui