Pesquisar

Descoberta do exército de terracota na China

A 29 de março de 1974, um grupo de sete camponeses chineses trabalhava na escavação de um poço comunal da sua aldeia. A cerca de 15 metros de profundidade, um dos homens deparou com um objeto estranho.  Escavando em volta, percebeu que era uma cabeça em terracota, que arrancou a golpes de martelo e trouxe para a superfície.

Após as autoridades terem sido informadas, não demorou muito até os arqueólogos perceberem que se tratava de um achado inédito e extraordinário: não era uma, mas milhares de figuras em terracota, isto é, em barro cozido, em tamanho natural e datadas do século III a.C. São, na maior parte, soldados, reproduzidos em grande pormenor e depositados em três compartimentos. Há também cavalos em terracota, carruagens e armas em bronze, além de outros objetos e artefactos. As investigações posteriores revelaram um total superior a 8 mil figuras, formando uma guarda do mausoléu do imperador Shi Huangdi, o primeiro imperador da China.

 

  •  Quem foi o primeiro imperador da China?

Qin Shi Huangdi foi o mais importante rei de Qin, um pequeno reino do interior da China. É, aliás, deste nome que provém a palavra “China” nas línguas ocidentais, uma vez que os chineses chamam ao seu país Zhongguó, “o País do Meio”. Qin era um dos sete estados que lutaram entre si pela supremacia política ao longo dos séculos V e IV a.C.

No século seguinte, Qin expandiu-se e conquistou gradualmente os restantes, até à completa unificação da China, que foi obtida no ano 221 a.C. pela ação do rei Ying Zheng, que passou à História sob o nome de Shi Huangdi, o primeiro imperador da China unificada. Foi ele quem construiu os primeiros troços da muralha da China e que lançou um vasto programa de obras públicas e de unificação de leis, pesos e medidas, da escrita e normas sociais. A sua governação durou pouco mais de uma década e foi simultaneamente pacificadora, eficaz, brutal e impiedosa. Pensa-se que terá iniciado a construção do seu mausoléu, assim como do exército de terracota que o guardava, pouco depois de ter subido ao trono.

 

  •  Qual a importância deste achado?

O “exército de terracota” localiza-se perto da cidade de Xian, na província de Shaanxi, e é um legado de incalculável valor arqueológico, histórico e artístico, a vários níveis. O perfeito estado de conservação das figuras, a riqueza, diversidade e dimensão de dados que fornece para o estudo e a compreensão da história da China tornam-no um achado único. Convém relembrar, porém, que o que se conhece é apenas uma parte de um largo complexo que ocupa quase 100 km2 e que inclui outras estruturas, túmulos, artefactos e câmaras ainda não examinadas. O túmulo do imperador, por exemplo, permanece selado.

O monumento foi classificado como património mundial pela UNESCO em 1987 e está hoje sujeito a um regime especial de proteção por parte das autoridades chinesas, além de constituir uma das mais famosas atrações turísticas da China. Infelizmente, os camponeses que o descobriram viram a sua aldeia ocupada e posteriormente destruída, permanecendo na obscuridade e sem direito a qualquer tipo de reconhecimento ou compensação.

Ouça aqui outros episódios do programa Dias da História

  • Temas: História
  • Ensino: 3º Ciclo, Ensino Secundário

Ficha Técnica

  • Título: Os Dias da História - Descoberta do exército de terracota
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Paulo Sousa Pinto
  • Produção: Antena 2
  • Ano: 2018
  • Fotografia: Terracota Army. Free stock photo Pixabay.com

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui