Pesquisar

José Saramago e a "súbita serenidade"de ser Nobel

Quando naquele outubro do ano de 1998 a Academia Sueca reconheceu José Saramago, o escritor português estava no aeroporto de Frankfurt, a poucos minutos de embarcar num avião que o levaria a Madrid. Subitamente ouviu o seu nome ser chamado pelos altifalantes para atender o telefone com urgência. Do outro lado, o seu editor, com a melhor notícia de sempre. E Saramago a insistir que ia para casa, partilhar o maior galardão com o grande amor da sua vida.

O prémio tardava em chegar. Nos últimos anos, o veredicto do júri de Estocolmo desapontava o escritor que, na bagagem, levava obra longa e reconhecida, produzida em rigorosa disciplina. Estaria ou não à altura do galardão literário mais importante do mundo? À dúvida que se instalava e o desassossegava, respondia com mais páginas escritas. Dentro de si, guardava ainda a força do rapazinho descalço nas ruas da Azinhaga, que acreditava que às suas mãos iria parar aquilo que havia de ser seu.

Naquela quinta-feira de outubro, cumprira já José Saramago os seus deveres na Feira do Livro de Frankfurt. De mala feita, preparava-se  para regressar a casa. Mas a bagagem não estava completa, faltava o prémio que qualquer escritor gostaria de receber. A boa nova havia de chegar pela voz do editor, Zeferino Coelho. O momento de alegria deu lugar a uma súbita serenidade, descreve Saramago, na entrevista que concedeu à RTP, pouco depois de saber que era o primeiro escritor português laureado com o Nobel da Literatura.

Ficha Técnica

  • Título: José Saramago nomeado Prémio Nobel da Literatura
  • Tipo: Entrevista
  • Autoria: Florbela Godinho
  • Produção: RTP
  • Ano: 1998

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui