Pesquisar

O grito do Ipiranga

Foi nas margens do rio Ipiranga que ocorreu, a 7 de setembro de 1822, um dos episódios mais célebres de toda a história do Brasil e que se tornou sinónimo, na língua portuguesa, de declaração de emancipação ou de independência.

E foi disso mesmo que se tratou, por parte do então príncipe regente D. Pedro, que governava o Brasil em nome do seu pai, o rei D. João VI. Ipiranga, que significa “rio vermelho” na língua tupi, é um pequeno riacho localizado no centro da atual cidade de S. Paulo. D. Pedro encontrava-se no local quando terá recebido informações de que as cortes de Lisboa tinham anulado as suas ordens e reduzido o seu poder como príncipe regente. Terá então declarado à sua guarda de honra a separação irreversível do Brasil em relação a Portugal e proferido a famosa expressão “independência ou morte”.

Trata-se de um episódio de veracidade duvidosa mas que a tradição consagrou. O dia 7 de setembro é feriado nacional no Brasil e é celebrado oficialmente como o Dia da Independência.

 

  • Era inevitável, a proclamação da independência?

Pode-se dizer hoje que o processo de emancipação do Brasil e das colónias espanholas na América era inevitável, uma vez que tanto Portugal como Espanha estavam enfraquecidos pelas guerras napoleónicas e encontravam-se em plena crise política e social. No caso português, o facto de o rei e a corte terem residido no Rio de Janeiro durante vários anos desequilibrou a relação tradicional entre a metrópole e a colónia e concedeu um impulso decisivo às aspirações independentistas do Brasil.

O príncipe D. Pedro tinha já dado um sinal importante nesse sentido, alguns meses antes, quando se recusou a acatar as ordens de Lisboa para regressar a Portugal. Tinha o apoio de parte substancial das elites brasileiras, que não aceitavam o retorno do país à simples condição de colónia, como era intenção das Cortes em Lisboa. O Grito do Ipiranga foi portanto um momento simbólico que revelou uma rutura que já estava em curso.

 

  • Teve efeitos imediatos?

O episódio do Grito do Ipiranga não parece ter tido o impacto que a tradição lhe atribui. Há historiadores que afirmam que passou despercebido na época e que só várias décadas mais tarde é que veio a ser considerado como o momento-chave da independência do Brasil. Seja como for, D. Pedro foi aclamado como imperador alguns dias depois, mas a adesão à sua causa não foi unânime.

Houve tentativas de restauração do domínio português e diversas regiões tentaram separar-se do Brasil e formar repúblicas autónomas, porque parte do movimento independentista era republicano e não aceitava um Brasil monárquico. Mas apesar de todas as dificuldades, o processo de independência saiu vitorioso. Portugal reconheceu o Brasil independente em 1825 e o país manteve a sua integridade territorial, não se fragmentando em diversos estados, como ocorreu com as colónias espanholas da América do Sul. D. Pedro, contudo, foi obrigado a abdicar em 1831. Regressou então a Portugal para liderar a luta contra o regime absolutista de D. Miguel e veio a ocupar o trono como D. Pedro IV.

Ouça aqui outros episódios do programa Dias da História

  • Temas: História
  • Ensino: 2º Ciclo, 3º Ciclo, Ensino Secundário

Ficha Técnica

  • Título: Os Dias da História - O grito do Ipiranga
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Paulo Sousa Pinto
  • Produção: Antena 2
  • Ano: 2017
  • Imagem: "A independência do Brasil" - François-René Moreau

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui