Pesquisar

Ruy Cinatti, poeta com vocação de nómada

Talvez o nascimento de Ruy Cinatti em Londres lhe tenha provocado uma vocação existencial para a viagem, diz a professora de literatura Joana Matos Frias. Antropólogo e poeta, registou paisagens e geografias humanas. Em palavras, filmes e fotografias.

«Caminhar sempre», escreveu Ruy Cinatti (1915-1986), que encontrou a sua voz poética e científica em países distantes. Foram muitas as viagens que fez, mas uma terra houve que o cativou para sempre. Quando chegou a Timor em 1946 para trabalhar como funcionário da administração colonial, encontrou naquela «ilha verde e vermelha» uma cultura e um povo que o apaixonaram desde o primeiro momento.

Encontramos o rasto de Ruy Cinatti, autor de uma das obras mais importantes da poesia portuguesa do século XX, nas palavras de Joana Matos Frias. A professora de Literatura começa por explicar a vocação existencial do poeta nómada, faceta que outro poeta, Ruy Belo, muito cedo intuiu.

 

Ficha Técnica

  • Título: Literatura Aqui - Rui Cinatti
  • Tipo: Extrato de Programa - Reportagem
  • Produção: até ao Fim do Mundo
  • Ano: 2017

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Consulte a nossa Política de Privacidade.