Pesquisar

Uma biografia de Alexandre Herculano

Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo nasceu em Lisboa, numa casa da Rua de São Bento, a 28 de março de 1810. Era originário de uma família da classe média. O pai era funcionário na Junta do Crédito Público e a mãe descendia de uma família de pedreiros da Casa Real.

Estudou num colégio religioso durante a juventude, mas foi impedido de prosseguir os estudos universitários quando tinha 17 anos, devido a dificuldades económicas causadas pela cegueira do pai. Frequentou, em vez disso, um curso de Comércio, aprendeu línguas e estudou na Torre do Tombo, o que lhe viria a dar a formação de base para os seus futuros trabalhos como historiador. Esperava-o, possivelmente, uma carreira como funcionário público, mas os tempos agitados que então Portugal vivia, com a crise política desencadeada pela subida ao trono de D. Miguel, acabaram por alterar profundamente o rumo da sua vida.

 

  • Envolveu-se na guerra civil?

Alexandre Herculano aderiu às ideias em voga na Europa do seu tempo, não apenas ao movimento literário conhecido como Romantismo, mas naturalmente à sua vertente política, que privilegiava a liberdade dos povos e as monarquias constitucionais. Era, portanto, um liberal, numa altura em que o regime vigente repudiava esta ideologia. O seu envolvimento numa revolta militar, em 1831, obrigou-o a fugir de Portugal e a procurar refúgio em Inglaterra e, posteriormente, em França.

Regressou a Portugal integrado no exército liberal e participou no desembarque do Mindelo, em 1832, ao lado de Almeida Garrett, e foi soldado durante o tempo que durou a guerra civil. Posteriormente, foi deputado e chegou a desempenhar cargos políticos, mas rapidamente manifestou a sua desilusão com a política e a vida pública.

A sua ação foi essencialmente cívica, nomeadamente na recusa das ideias iberistas e na luta contra os setores mais conservadores do clero e da sociedade portuguesa.

Casou apenas com 57 anos e viveu os últimos anos da sua vida na sua quinta nos arredores de Santarém, onde veio a falecer, em 1877, vitimado por uma pneumonia.

 

  • E quanto à sua obra? é extensa?

Alexandre Herculano não tinha perfil de político. Foi, essencialmente, um intelectual, um homem de letras que refletiu sobre os problemas do seu tempo.

Deixou uma importante obra literária, sobretudo romances históricos, mas também peças de teatro, poesia e ensaios, opúsculos e reflexões sobre o Estado, a sociedade e a Igreja de Portugal. Foi o introdutor do Romantismo, a par de Almeida Garrett. Contudo, o seu maior contributo foi no campo da História. Pode afirmar-se que Alexandre Herculano foi o primeiro historiador moderno português, tendo-se dedicado, sobretudo, ao estudo das origens de Portugal e dos problemas políticos e sociais da Idade Média, assim como à publicação de documentos, de forma crítica e rigorosa.

Assume particular relevância a sua História de Portugal, em vários volumes, que continua a ser um trabalho de grande valor e de importância fundamental para os medievalistas dos nossos dias.

Ouça aqui outros episódios do programa Dias da História

  • Temas: História
  • Ensino: 3º Ciclo, Ensino Secundário

Ficha Técnica

  • Título: Os Dias da História - Nascimento de Alexandre Herculano
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Paulo Sousa Pinto
  • Produção: Antena 2
  • Ano: 2017
  • Fotografia: Alexandre Herculano na sua Quinta

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui