António Gedeão, experiências feitas poesia
Ensino:

António Gedeão, pseudónimo de Rómulo de Carvalho, começa a publicar poesia aos 50 anos. Figura destacada da cultura científica e do ensino, descobre mais tarde a arte das palavras. É ele o poeta da "Pedra Filosofal".

Até aos 50 anos um “sonho comanda a vida” de Rómulo de Carvalho. Chama-se Ciência. Por isso faz-se cientista, professor, autor de manuais escolares, uma intensa atividade praticada durante quase meio século de vida. Tanto o seu trabalho é reconhecido que o dia do seu nascimento, 24 de novembro, passa a ser o dia Nacional da Cultura Científica.

Mas há um outro sonho latente, uma vocação que se manifestara quando era apenas um menino e já versejava. Aos 11 anos, Rómulo decide abraçar a epopeia de terminar aquela que é considerada a obra máxima da literatura portuguesa, “Os Lusíadas”. Escreve as setes estrofes do canto XI que acabam publicadas. Porém, pensa sempre que os seus poemas não têm qualidade, e tudo o que vai escrevendo, vai destruindo.

Só aos 50 anos, Rómulo de Carvalho “pula e avança” para a poesia. Depois de participar num concurso, arrisca o primeiro livro de poemas: “Movimento Perpétuo”. E como se de uma outra vida se tratasse, o pedagogo escolhe para si um novo nome: António Gedeão, o nome daquele que seria o poeta da “Pedra Filosofal”, um hino ao sonho que se fez canção de muitas gerações.

As primeiras Palavras Ditas por Mário Viegas
Veja Também

As primeiras Palavras Ditas por Mário Viegas

“Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”, de Luís de Camões
Veja Também

“Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”, de Luís de Camões

 

 

 

 

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Um dia com... António Gedeão
  • Tipologia: Extrato de Programa
  • Produção: RTP
  • Ano: 1971