Soneto de Luís Vaz de Camões
Ensino:

Neste episódio do programa "Voz" escutamos um soneto de Luís Vaz de Camões dito pelo ator João Reis. Um encontro com a poesia para ver, ouvir e ler aqui. <br /> <br />

Erros meus, má fortuna, amor ardente
Em minha perdição se conjuraram;
Os erros e a fortuna sobejaram,
Que para mim bastava amor somente.

Tudo passei; mas tenho tão presente
A grande dor das cousas, que passaram,
Que as magoadas iras me ensinaram
A não querer já nunca ser contente.

Errei todo o discurso de meus anos;
Dei causa que a Fortuna castigasse
As minhas mais fundadas esperanças.

De amor não vi senão breves enganos.
Oh! quem tanto pudesse, que fartasse
Este meu duro Génio de vinganças!

Luís Vaz de Camões

 

“Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”, de Luís de Camões
Veja Também

“Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”, de Luís de Camões

“Os Lusíadas”, de Luís de Camões
Veja Também

“Os Lusíadas”, de Luís de Camões

“Quando Eu, Senhora, em Vós os Olhos Ponho”, de Sá de Miranda
Veja Também

“Quando Eu, Senhora, em Vós os Olhos Ponho”, de Sá de Miranda

 

Temas

Ficha Técnica

  • Título: "Voz"
  • Tipologia: Programa de Poesia
  • Autoria: Produções Fictícias
  • Produção: até ao Fim do Mundo
  • Ano: 2005