Oscar Wilde e o polémico Retrato de Dorian Gray
Ensino:

O único romance de Oscar Wilde escandalizou a Inglaterra do século XIX. A história de um homem obcecado em manter-se jovem para sempre e do quadro que o desfigura, registando cada um dos seus pensamentos e crimes, foi considerado impuro, venenoso, desagradável, nauseante. Incomodava a facilidade com que Dorian Gray abdicava da alma em troca da beleza, mas o que verdadeiramente chocava a sociedade estava nas referências homossexuais. Nunca uma ficção em língua inglesa fora tão longe, ao sugerir o desejo e o amor entre homens. O escritor irlandês desafiava a moral vitoriana e o Retrato seria usado para o condenar.

A primeira história do jovem que não envelhece e do quadro que é a imagem da sua consciência apareceu em 1890 na Lippincott´s, uma revista de Filadélfia. O conto não escandalizou os leitores americanos, mas os críticos ingleses reagiram com fúria ao texto de Oscar Wilde. Em vez de se deixar intimidar, o escritor irlandês tinha o plano de publicar um romance. Seis capítulos e um prefácio brilhante depois, a ficção estava concluída para agitar a sociedade vitoriana.

Logo na abertura eram ultrapassados os limites da decência, com alusões veladas à paixão do pintor Basil Hallward pelo seu modelo. Embora o desejo entre homens não fosse tema central do livro, a punição de Wilde começava e acabava aqui. Suportavam-lhe as poses extravagantes de príncipe do renascimento, não toleravam que falasse abertamente sobre o que devia ser mantido em segredo.

Mais tarde ver-se-ia condenado a três anos de prisão por envolvimento com pessoas do mesmo sexo e o “Retrato de Dorian Gray” apresentado em julgamento como prova da sua conduta imprópria. No entanto, o que a uns inspirou repulsa, a outros causa admiração. O livro que Wilde escreveu no século XIX sobre os perigos da futilidade e da beleza sem consciência, da subordinação da vida a um ideal estético, simboliza hoje a luta de um homem pela sua sexualidade e pelo direito de a poder expressar livremente.

Oscar Wilde não escrevia para moralizar, para insinuar o que os leitores deviam pensar ou sentir. Provocante, desafiante, defendia no prefácio de Dorian Gray que o artista pode exprimir tudo. Assim o fez, e pagou por isso. No fim da história, quando a comunidade gay fez dele uma lenda, saiu vencedor.

“Orlando”, de Virgina Woolf
Veja Também

“Orlando”, de Virgina Woolf

Gertrude Stein, uma escritora americana em Paris
Veja Também

Gertrude Stein, uma escritora americana em Paris

 

 

 

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Nada Será Como Dante - Oscar Wilde
  • Tipologia: Extrato de Programa Cultural - Reportagem
  • Produção: até ao Fim do Mundo
  • Ano: 2020