Porque devemos ler Jorge de Sena?
Ensino:

Escreveu quase dois mil poemas e centenas de páginas de contos, novelas, romances, peças de teatro. Prolífico, poliédrico, polémico e provocador, Jorge de Sena aventurou-se em todos os géneros, porém a obra vasta e complexa nem sempre lhe trouxe o reconhecimento merecido. Talvez o país fosse demasiado pequeno para o seu talento, a sua óbvia superioridade intelectual. Ou o seu discurso corrosivo incomodasse demasiado críticos e académicos. Certo é que o poeta é uma das figuras mais importantes da cultura portuguesa do século XX. Será suficiente para o incluirmos nas nossas leituras? A questão abre a conversa de dois professores de literatura.

Há que ler e saber ler os versos e os textos de Jorge de Sena. A obra convoca-nos a uma reflexão sobre o Homem e o seu lugar no mundo, a sentir e a pensar sem ceder a lirismos medíocres. A poesia, vocação primeira e insubstituível, revitaliza. A ficção, poderosa, confirma a competência técnica e intelectual do poeta. Se juntarmos o trabalho ensaístico e as traduções, temos a obra monumental que Jorge Fazenda Lourenço e Jorge Vaz de Carvalho consideram superior.

Voltamos à questão inicial: Porque devemos ler Jorge de Sena?

 

“Sinais de Fogo”, de Jorge de Sena
Veja Também

“Sinais de Fogo”, de Jorge de Sena

“Noutros Lugares”, de Jorge de Sena
Veja Também

“Noutros Lugares”, de Jorge de Sena

 

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Nada Será Como Dante - Jorge de Sena
  • Tipologia: Extrato de Programa Cultural
  • Produção: até ao Fim do Mundo
  • Ano: 2021