Pesquisar

Maria Judite Carvalho é "consciência em movimento"

Nos seus quase trinta anos de carreira literária, escreveu sempre sobre a solidão. As personagens de Maria Judite de Carvalho vivem em isolamento, submersas no monólogo interior da alma. Histórias cruas e sombrias da vida quotidiana, que a escritora observava atentamente.

A infância não foi feliz. Obrigada a ficar sem os pais aos três meses de idade, cresceu na casa das tias paternas, numa “amosfera escura e sombria” como recorda, nesta peça, o marido e também escritor Urbano Tavares Rodrigues. Conheceram-se e apaixonaram-se na Faculdade de Letras de Lisboa, viveram em França e na Bélgica. Ele sabia que ela tinha muito jeito para o desenho, mas desconhecia o verdadeiro talento de Maria Judite. Até que um dia, ela, já com 38 anos, lhe pediu para ler uns contos. Ele não teve dúvidas de que estava ali um livro e convenceu-a a publicar.  “Tanta gente , Mariana”, obra revelação, impõe-se pela contenção e sobriedade da escrita e pela temática da solidão.

Dedicada à literatura e ao jornalismo, principalmente como cronista, Maria Judite de Carvalho (1921-1998), observava para aprender e para poder relatar com exatidão e rigor o que via. Andava de transportes públicos para estar mais perto das personagens e redimensionar nas suas histórias o isolamento humano nas cidades. Publicou romances, novelas crónicas, porém, o conto foi o género literário que mais cultivou nos seus quase 30 anos de carreira enquanto escritora, destacada com vários prémios.

Leitora atenta da sua obra, Paula Mourão diz-nos que os textos da autora de “Seta Despedida” representam a consciência em movimento. E explica  porquê.

Ficha Técnica

  • Título: Ler+ ler melhor - Breve Biografia de Maria Judite Carvalho
  • Tipo: Extrato de Magazine Cultural
  • Produção: Filbox produções
  • Ano: 2011

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui