A Biblioteca de D. João V, obra-prima do Barroco
Ensino:

Dourados sumptuosos, madeiras exóticas, frescos e milhares de livros raros e antigos ordenados em estantes até ao teto. Na Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra respira-se a história do rei que governou o grande império português no século XVIII.

Ficamos mais próximos da sabedoria neste espaço invulgar onde repousam milhares de livros, alguns dos quais são exemplares únicos no mundo, como a primeira edição dos Lusíadas, a Bíblia Hebraica ou o primeiro de três volumes manuscritos do Antigo Testamento. A Biblioteca Joanina, antes chamada Casa da Livraria, começou a ser erguida em 1717, em pleno século das Luzes, a mando de D. João V (1689-1750), o rei português que privilegiava o conhecimento e que promoveu uma política cultural sem paralelo em todo o país.

No longo reinado de 43 anos, um dos maiores da História de Portugal, o monarca, que subira ao trono apenas com 17 anos, cultiva o gosto pelas artes, ciência e literatura. A educação que recebera da mãe, Maria Sofia de Neuburgo e dos professores jesuítas, aguçara nele a curiosidade e uma notável mestria diplomática que servirá para melhorar as relações externas e reafirmar o prestígio de uma nação que acabara de restaurar a independência após 60 anos de luta contra a dinastia dos Filipes.

Com os cofres do reino cheios do ouro proveniente das novas jazidas descobertas no Brasil, garantido pelo imposto “dos quintos”, o jovem monarca desenvolve ao mesmo tempo uma certa apetência pelo esplendor e pelo fausto, seguindo o exemplo do seu ídolo Luís XIV, o rei sol. Embora os excessos em Portugal  não sejam comparáveis aos da corte francesa e o poder régio não seja totalmente inquestionável, o Absolutismo centraliza na figura do soberano ostentação e autoridade. D. João V é rico e governa um vasto Império que se estende por quatro dos cinco continentes.

Embaixada de D. João V chega a Pequim
Veja Também

Embaixada de D. João V chega a Pequim

A viver paz e prosperidade, o rei não fomenta tanto o crescimento da indústria ou do comércio que o fazia cada vez mais dependente de Inglaterra, mas procura sim acompanhar o movimento cultural renovador em marcha na Europa e, investe uma parte do ouro na ciência e no saber, inaugurando o tempo dos grandes empreendimentos com gastos a condizer. Por iniciativa régia fizeram-se obras emblemáticas como o Convento de Mafra, o Aqueduto das Águas Livres, a Real Academia de História, a Academia Cirúrgica Protótipo Lusitana e esta Biblioteca, obra-prima única do Barroco, construída pelos melhores mestres em pintura de frescos, douradores e entalhadores.

Aqueduto das Águas Livres e a inspiração do Tratado de Vitrúvio
Veja Também

Aqueduto das Águas Livres e a inspiração do Tratado de Vitrúvio

Trezentos anos depois, esta biblioteca é considerada a mais bela Biblioteca Universitária do mundo, com um espólio inestimável de valor incalculável.  É visitada todos os anos por 200 mil pessoas, mais ainda depois da Universidade de Coimbra ter sido eleita Património da Humanidade pela UNESCO, em 2013. Começa aqui uma visita guiada a este templo dos livros com a jornalista Paula Moura Pinheiro e o Professor da Universidade de Coimbra, Carlos Fiolhais.

Padre António Vieira, mestre da palavra
Veja Também

Padre António Vieira, mestre da palavra

Barroco Joanino no altar da Igreja de S. Domingos
Veja Também

Barroco Joanino no altar da Igreja de S. Domingos

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Visita Guiada - Universidade de Coimbra
  • Tipologia: Programa Cultural
  • Autoria: Paula Moura Pinheiro
  • Produção: RTP2
  • Ano: 2014