Eça de Queirós e Camilo Castelo Branco: duelo de escritores
Ensino:

As páginas que nos legaram estes celebrados escritores revelam grandes diferenças. De estilo, certamente. Mas traduzem também as personalidades e os gostos de dois homens que eram de outros tempos e lugares. À distância, Camilo e Eça liam-se e criticavam-se. A polémica entre os génios da língua ganhou proporções tais que passaram a ser vistos como adversários. Um duelo continuado por camilianistas e queirosianos, com argumentos certeiros.

Camilo era uma figura romântica, um sentimental na vida como nas novelas que escrevia para poder viver. Já o jovem Eça estava mais interessado em afiar a pena na mais fina ironia para retratar a sociedade da época. Romancistas de escrita intensa, mestres da língua e criadores de personagens fortes da literatura portuguesa, o senhor das serras e o senhor das cidades viviam uma certa polémica, atiçada pelas respetivas fações e palcos literários da época. Atentos ao que um e outro iam fazendo, criticavam-se em público e privado. Mas existiria entre eles motivos para uma verdadeira rivalidade? O que separava estes dois romancistas do século XIX?

Segue-se o confronto com argumentos apresentados por um camilianista e um queirosiano. No entanto, João Bigotte Chorão e Carlos Reis garantem que este duelo de escritores só tem vencedores. Porque, dizem, o que importa, é ler e reler as obras de Camilo Castelo Branco e de Eça de Queirós com “renovado gosto e continuado proveito”.

Eça de Queirós, escritor universal
Veja Também

Eça de Queirós, escritor universal

Memórias de Camilo na cadeia da Relação do Porto
Veja Também

Memórias de Camilo na cadeia da Relação do Porto

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Literatura Aqui - Camilo Castelo Branco e Eça de Queirós
  • Tipologia: Extrato de Programa Cultural
  • Produção: até ao Fim do Mundo
  • Ano: 2017