“Glosando o mote: morte, juízo, inferno, paraíso”, de Bocage
Ensino:

Neste episódio do programa "Voz" escutamos o poema de Bocage dito pelo ator Miguel Guilherme. Um econtro com a poesia para ver, ouvir e ler aqui. <br />

“Morte, Juízo, Inferno e Paraíso”

Em que estado, meu bem, por ti me vejo,
Em que estado infeliz, penoso e duro!
Delido o coração de um fogo impuro,
Meus pesados grilhões adoro e beijo.

Quando te logro mais, mais te desejo;
Quando te encontro mais, mais te procuro;
Quando mo juras mais, menos seguro
Julgo esse doce amor, que adorna o pejo.

Assim passo, assim vivo, assim meus fados
Me desarreigam d’alma a paz e o riso,
Sendo só meu sustento os meus cuidados;

E, de todo apagada a luz do siso,
Esquecem-me (ai de mim!) por teus agrados
Morte, Juízo, Inferno e Paraíso.

Manuel Maria Barbosa du Bocage

 

“Rimas”: a poesia transgressora de Bocage
Veja Também

“Rimas”: a poesia transgressora de Bocage

“Quando Eu, Senhora, em Vós os Olhos Ponho”, de Sá de Miranda
Veja Também

“Quando Eu, Senhora, em Vós os Olhos Ponho”, de Sá de Miranda

“Amor é um fogo que arde sem se ver”, de Luís de Camões
Veja Também

“Amor é um fogo que arde sem se ver”, de Luís de Camões

Temas

Ficha Técnica

  • Título: "Voz"
  • Tipologia: Programa de Poesia
  • Autoria: Produções Fictícias
  • Produção: até ao Fim do Mundo
  • Ano: 2005