Guerras do Alecrim e Manjerona
Ensino:

Levada à cena pela primeira vez em 1737, esta "comédia de enganos" de António José da Silva é uma sátira exemplar à sociedade portuguesa setecentista. Na dupla intriga amorosa há fidalgos galantes, mas sem ética, aristocratas avarentos, exageros barrocos, críticas à justiça, à medicina e às rivalidades entre grupos carnavalescos. Apresentamos aqui um excerto destas guerras do dramaturgo que ficou conhecido como o Judeu, torturado e executado pela Inquisição.

Quase trezentos anos tem a peça de António José da Silva que muitos consideram ser a sua obra-prima. As “Guerras de Alecrim e Manjerona” fizeram sucesso no teatro do Bairro Alto, no Carnaval de 1737. O público apreciava o estilo inovador do Judeu; textos em prosa, marionetas em vez de atores e música com cantores de carne e osso. Eram as óperas de bonifrates ou, como o próprio preferia chamar-lhes, óperas joco-sérias, que seguiam a tradição da escola de Gil Vicente.

“Auto da Barca do Inferno”, de Gil Vicente
Veja Também

“Auto da Barca do Inferno”, de Gil Vicente

Para esta “comédia de enganos” o autor, com repertório dedicado sobretudo a temas da mitologia grega, inspira-se numa moda do seu tempo e, a partir daí, constrói uma sátira mordaz à sociedade, com caricaturas bem definidas de vários tipos sociais. A rivalidade entre dois ranchos carnavalescos é o primeiro plano da intriga amorosa que se desenrola numa sucessão de peripécias e trocadilhos hilariantes.

O enredo conta ao todo com nove personagens que fazem uma história única na dramaturgia portuguesa. Dois jovens, D. Fuas e D. Gilvaz, fidalgos pobres, enchem de galanteios duas irmãs, meninas ricas, sobrinhas do avarento D. Lançarote. Os corações de D. Nise e D. Clóriz, partidárias dos grupos rivais do Alecrim e da Manjerona, cedem, mas o tio levanta obstáculos a estes amores porque prometera a D. Tibúrcio uma das donzelas em casamento. É aqui que entram em cena os criados Semicúpio, Sevadilha e Fagundes que vão dar um final feliz à intriga amorosa.

Neste vídeo podemos ver excertos da peça de António José da Silva que, em 1994, foi encenada por João Mota para o Teatro da Comuna. A música é de Eduardo Paes Mamede e as interpretações de Maria João Luís, Elsa Galvão, Helena Macedo, Alfredo Brissos, Álvaro Correia, Paulo Antunes, Paulo B. Vítor Soares e José Figueiredo Martins. Que comecem as guerras.

Frei Luís de Sousa, outra encenação para Garrett
Veja Também

Frei Luís de Sousa, outra encenação para Garrett

Jorge Ferreira de Vasconcelos, dramaturgo do século XVI
Veja Também

Jorge Ferreira de Vasconcelos, dramaturgo do século XVI

Os vários papéis da palavra teatro
Veja Também

Os vários papéis da palavra teatro

 

 

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Magazine de Teatro - Guerras de Alecrim e Manjerona
  • Tipologia: Excerto de Magazine de Teatro
  • Produção: RTP
  • Ano: 1994